Futebol/Campeonato Paulista - ( - Atualizado )

Eliminado em 100º jogo, Kleina não comemora aniversário e vê injustiça

William Correia São Paulo (SP)

Gilson Kleina tinha tudo para fazer deste 30 de março um dia histórico para ele. O técnico realizou seu centésimo jogo no Palmeiras, exatamente na data em que completou 46 anos de idade. Mas amargou uma derrota por 1 a 0 para o Ituano, em Pacaembu que teve o maior público em partidas do clube no centenário, e falou em injustiça após ser eliminado na semifinal do Campeonato Paulista.

“Estou muito triste por tudo, não era isso que estava no nosso planejamento. Deixamos a desejar. Agora, infelizmente estamos fora. Tem que ter alguma coisa guardada aí, porque foi muito injusto. Vi muito o Palmeiras nessas finais”, disse o treinador, visivelmente chateado pelo que ocorreu. “Tivemos o apoio do nosso torcedor que sempre pedimos. Lamento e peço desculpas ao torcedor, porque todos estavam confiantes”, comentou.

Apesar de falar em injustiça, o comandante admitiu que o Verdão jogou mal. “Tivemos muito pouca chance. Faltou um pouquinho mais de chegada e tranquilidade. A derrota aconteceu porque não fomos competentes”, afirmou, argumentando também com os problemas de lesão que teve.

“Não queríamos estar nesse momento. Nós nos preparamos, fizemos um campeonato muito eficiente, comprometido. O futebol é cruel, tem alguns percalços que acontecem. É uma fatalidade ter seis jogadores machucando, faz a última substituição e outro jogador se machuca em campo. Ficamos limitados. Em jogo eliminatório, você consegue suprir a ausência de um ou dois, mas encontra dificuldade quando tem mais problemas”, apontou.

Com o tornozelo direito inchado, Valdivia começou o jogo no banco. Entrou aos 25 minutos do segundo tempo, quando Alan Kardec e Fernando Prass já tinham sido substituídos por lesão. Durante a partida, Bruno César sentiu lesão na coxa esquerda e Juninho e Wesley reclamaram de dores. “Faltando 15 minutos, a equipe começou a espaçar, tanto é que em cinco minutos ficou ataque contra defesa. Com jogadores debilitados, ficou difícil recuperar”, lamentou.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Treinador avisou que ficaria quietinho em casa, descartando comemorar seu 48º aniversário neste domingo
Kleina não cogitou comemorar tanto o aniversário quanto seu centésimo jogo no Palmeiras. “Seria bacana essa marca se conseguíssemos a classificação”, afirmou. “Não tem comemoração, não. Eu queria ir para casa e poder comemorar. Vou chegar em casa e ficar quietinho. Amanhã, tenho que acordar com energia para passar para os jogadores”, comentou.

Como comandante, o técnico assumiu a responsabilidade do resultado. “A responsabilidade é toda minha. Não fizemos um grande jogo. A noite vai ser longa”, afirmou, só discordando de quem chamou o time de “sem vergonha”. “Os jogadores foram guerreiros e ficaram em campo mesmo sem condição. Há um tempo, tinha jogador que nem vinha, ficava dez dias no estaleiro....Estamos chateados. Essa é a palavra”, definiu.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade