Futebol/Campeonato Paulista - ( - Atualizado )

Kleina celebra vitória consistente e imposição de ritmo em jogo acirrado

William Correia São Paulo (SP)

Gilson Kleina saiu do Pacaembu com a sensação de aprovação com méritos. O técnico venceu o seu primeiro mata-mata no Palmeiras superando a forte marcação e administrando a bola aérea do Bragantino. Para o comandante, o time soube impor seu jogo para fazer 2 a 0 e se garantir na semifinal do Campeonato Paulista.

“Sabíamos que seria um jogo de muita marcação, pegamos mais uma vez um adversário que veio para jogar por uma bola. Tivemos paciência em um jogo em que estávamos acelerando. Foi uma vitória consistente, o tempo todo quisemos colocar a bola no chão em um jogo acirrado”, sorriu.

O treinador mandou a campo o quarteto ofensivo com Valdivia, Bruno César, Leandro e Alan Kardec e encaixou a dinâmica de Wesley para ter força ofensiva com a chegada de Juninho pela esquerda. Ao mesmo tempo, cobrou movimentação para marcar, como viu em campo.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
Técnico gostou da movimentação do Palmeiras para marcar e armar na busca pela classificação
“Colocamos uma equipe com muita movimentação e bola no pé, mas colocamos na cabeça a consciência de ocupar espaço, fazer a transição para ajudar. Quanto mais entrosar, nosso leque de opções aumenta, e temos uma criatividade muito forte”, comentou, feliz por ver espírito decisivo nessa reta final de competição.

“Equipes que chegam à decisão têm que simplificar, e isso passa por chutão, bola longa. Às vezes, chamamos o adversário com toques curtos que poderiam ser evitados. A qualidade tem que existir, toque de bola na maior parte do tempo, mas tem que simplificar sempre para ter uma probabilidade de erro e percentual muito menores. Em jogos desse naipe, tem que ser dessa forma”, ensinou.

No domingo, o adversário será o Ituano. E o cuidado tem que ser o mesmo. “É jogo único, tudo pode acontecer. Os jogos decisivos, muitas vezes, não são bonitos, são decididos no detalhe. Pegamos um adversário alto, que joga na bola parada e, de repente, poderiam ser felizes e encaixar. É necessário manter a atitude e se impor”, orientou Kleina.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade