Futebol/Campeonato Paulista - ( - Atualizado )

Kleina minimiza perda da melhor campanha: "Campeonato começa agora"

William Correia Santos (SP)

Durante as 15 rodadas da primeira fase do Campeonato Paulista, Gilson Kleina insistiu na busca pela melhor campanha. A condição, contudo, foi perdida na derrota para o Santos neste domingo, e o técnico preferiu minimizar os efeitos dessa frustração. O comandante lembrou que o torneio ganha força para o Palmeiras no mata-mata.

“Ninguém gosta de perder. Nosso objetivo era sair líder, buscar a vitória. Mérito do adversário. Mas o campeonato começa agora. Se saíssemos como primeiros, o sentimento seria o mesmo: ganhar o jogo contra o Bragantino”, afirmou o treinador, citando o rival do jogo único válido pelas quartas de final, que será disputado no Pacaembu.

Apesar de terminar a primeira fase com a segunda melhor campanha, o Verdão está só a dois pontos do Santos e o regulamento do Estadual indica que os pontos continuam sendo somados para definir quem será mandante nas fases seguintes. O Palmeiras já tem garantido que jogará a partida única da semifinal no Pacaembu, caso passe pelo Bragantino, e ainda pode ultrapassar a pontuação do Peixe se reencontrá-lo nas finais, podendo decidir o título no Pacaembu.

“Tivemos a melhor campanha fora de casa, foi a segunda vez que perdemos. Queríamos ser líderes, mas isso não impede de fazermos todas as decisões no Pacaembu. Com um empate, um tropeço do Santos, ainda podemos passar se vencermos nas quartas de final e na semifinal. Os pontos são acumulativos”, animou-se Kleina.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Treinador tenta controlar a frustração por não ter atingido um dos objetivos antes do mata-mata
Em vez de frustração, o técnico quer que seus jogadores aprendam a lição da segunda derrota no Paulista antes do mata-mata. “Não adianta achar que vamos fazer as coisas ao natural, de forma desorganizada. Agora, se impusermos nosso jogo, nossa dinâmica, e fazer o que vínhamos fazendo no campeonato, nossa equipe cresce muito”, afirmou, ressaltando obsessão pelo título.

“É o centenário e o time quer dar esse feito para a torcida. Mas ninguém está pressionando ou falando que tem que ganhar. Não é assim. O futebol tem equipes que crescem no momento certo, outras sabem do peso quando entram em outro tipo de competição, mas sempre tivemos comprometimento por uma conquista, independentemente do ano”, sentenciou.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade