Futebol/Campeonato Paulista - ( - Atualizado )

Leandro perde chance clara no Pacaembu e avisa: "Não foi a última"

William Correia São Paulo (SP)

A principal chance de gol do Palmeiras foi desperdiçada quando o jogo ainda estava empatado sem gol. Autor do lance, Leandro não mostrou abatimento ao dar entrevista após a derrota para o Ituano no Pacaembu. O atacante se tranquiliza pensando que jogadas similares a que ocorreu na partida que eliminou o time do Campeonato Paulista se repetirão.

“Estou tranquilo. Todos erram gol. Não vai ser nem o primeiro nem o último que vou perder”, afirmou Leandro, que recebeu de Mendieta na cara do goleiro, desmarcado na grande área, e chutou em cima de Vagner. “Errei na hora do domínio. No primeiro domínio, apertei. No segundo, a bola ficou um pouco para trás e complicou para ajeitar para bater”, lembrou.

Quem se complicou mais foi o Verdão. Diante da melhor defesa do Campeonato Paulista, a equipe teve dificuldades para criar outra oportunidade tão clara quanto a desperdiçada por Leandro e os próprios colegas lamentaram o erro ocorrido na metade do primeiro tempo do jogo.

“Se não correr, se dedicar, aproveitar as oportunidades que tem no começo do jogo, fica complicado. No futebol, quem não faz, toma. Não fizemos quando tivemos oportunidade, fomos para frente, a equipe estava querendo o resultado”, comentou Wesley.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Leandro teve a chance mais clara do Palmeiras, ainda no primeiro tempo, e deixou a bola nas mãos do goleiro Vagnet
Leandro concorda que o gol perdido fez falta. “Claro. Se eu tivesse feito, no mínimo, estaria 1 a 1”, disse, sem falar em má sorte tanto no seu lance quanto nas lesões que atrapalharam o Verdão. “Não acredito em azar, mas aconteceu. O que era para acontecer, aconteceu”, analisou.

Gilson Kleina tirou qualquer responsabilidade de Leandro pela derrota por 1 a 0. “Depois que ele teve lesão, está retornando. No ano passado, foi o artilheiro. Tem totais condições de ser aquele jogador que ele era. Conversei com ele que o gol, às vezes, cria ansiedade, um bloqueio, mas ele tem recurso, habilidade e finalização. A fase pode ser ruim, mas tem que passar”, apoiou.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade