Futebol/Campeonato Paulista - ( )

Queda na Sul-americana e jejum estadual motivam são-paulinos

Tossiro Neto São Paulo (SP)

A queda para a Ponte Preta na semifinal da Copa Sul-americana do ano passado, o último confronto eliminatório até aqui, e o longo período sem um título estadual são fatores de motivação do São Paulo no início do mata-mata do Campeonato Paulista. Às 22 horas (de Brasília) desta quarta-feira, a equipe recebe o Penapolense, em jogo único das quartas de final, no Morumbi.

Meses depois de ocorrido, os tropeços para o clube de Campinas - como mandante e visitante - ainda incomodam. "Até hoje, realmente é difícil de entender o que aconteceu naquele jogo (no Morumbi)", diz o zagueiro Antônio Carlos, um dos remanescentes da derrota por 3 a 1, no Morumbi, e do empate por 1 a 1, em Mogi Mirim.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Antônio Carlos é um dos remanescentes da eliminação para a Ponte Preta, mas disputa seu primeiro Paulista
"Até os 40 minutos do primeiro tempo, a gente estava jogando de uma forma que ainda não tinha jogado o ano todo. A gente estava marcando o adversário em cima, fizemos um gol importante... Depois do empate deles, o segundo tempo foi desastroso", lembra o defensor, o responsável pelo empate, tendo anotado um gol contra a própria meta.

A experiência negativa frente à Ponte Preta, consumada na semana seguinte ao revés em casa, é um exemplo de que o Penapolense precisa ser encarado com seriedade. "Tem que respeitar todo o mundo, não só as equipes grandes. A gente tem que conseguir fazer um bom jogo para não passar aquele sufoco, e sim para passar à próxima fase", receitou o beque, contratado no meio da temporada passada.

Embora tenha chegado no decorrer do Campeonato Brasileiro, Antônio Carlos já foi informado de que o São Paulo não é campeão estadual desde 2005, ano em que venceu sob comando de Emerson Leão. O jejum é outro ingrediente a motivar o elenco, ainda mais em uma temporada na qual os quatro grandes do Estado, não classificados à Libertadores, voltaram-se muito mais para a competição.

"Neste ano, especialmente, os grandes estão jogando apenas o Paulista (simultaneamente às primeiras fases da Copa do Brasil). Então, é hora de ver realmente quem está melhor, quem conseguiu se reforçar melhor ou quem conseguiu mais rapidamente achar uma formação", destacou o carioca, empolgado pela rivalidade com Santos e Palmeiras, outros grandes sobreviventes.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade