Futebol/Campeonato Francês - ( )

‘Tático’, Lucas projeta mais gols pelo Paris Saint-Germain

São Paulo (SP)

Peça importante no elenco do Paris Saint-Germain, o meia-atacante Lucas chegou ao clube francês, em janeiro de 2013, após disputar 128 partidas e marcar 33 gols pelo São Paulo. Entretanto, o atleta brasileiro não tem demonstrando o mesmo desempenho na equipe parisiense e balançou as redes em apenas três oportunidades desde que foi contratado por 40 milhões de euros (aproximadamente R$130,1 milhões).

Importante taticamente, Lucas tem cumprindo função tática pelo lado direito do campo, ajudando o lateral holandês Gregory Van Der Wiel na marcação dos adversários no setor. O posicionamento, aliado ao desempenho do atleta, resultou em brusca queda de média de gols. Ao todo, foram 54 partidas pela equipe francesa, sendo 32 como titular, e apenas três gols. Além disso, distribuiu 20 assistências.

“Aqui eu tenho mais dedicação ao aspecto tático. Além disso, a marcação aqui também é mais dura. No São Paulo, eu tinha mais espaço para jogar. Tenho atuado bem nos últimos jogos e estou contente. Estou com a cabeça boa, focado e concentrado. Não fazer gols é uma situação diferente, mas o mais importante é eu jogar bem e a equipe vencer”, afirmou o atleta.

AFP
Presente diretamente em 52 gols do São Paulo entre 2010 e 2012, Lucas teve queda de rendimento no PSG

Em 2012/2013, o meia-atacante chegou ao time na metade dos campeonatos, mas rapidamente conquistou titularidade. Em 15 jogos, marcou um gol. Nesta temporada, o treinador Carlo Ancelotti deixou o comando da equipe e foi substituído por Laurent Blanc. Com o técnico francês, Lucas passou a oscilar e ficou no banco de reservas em 17 oportunidades.

“Acho que a questão é que estou em um futebol diferente, um time distinto, com outra cultura. Até até me adaptei um pouco rápido, mas ainda tenho crescido bastante. Meu primeiro ano não foi muito fácil, tive algumas lesões e a equipe passou por mudanças. Além disso, eu não sou um goleador”, completou o jogador, de 20 anos, que ainda falou sobre as recomendações de Blanc para soltar a bola mais rapidamente.

“É uma orientação do meu treinador que levo como missão pessoal de trabalho. Claro que não perderei o estilo de jogo que todos conhecem, de velocidade com a bola nos pés. Às vezes, peco um pouco no momento de escolher entre driblar ou soltar a bola. Já cresci muito na parte coletiva, no posicionamento e na marcação. Aos poucos, vou evoluindo ainda mais. Sou muito jovem e tenho tempo pela frente”, encerrou.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade