Futebol/Campeonato Paulista - ( - Atualizado )

Valdivia passa o dia em tratamento, mas médico é otimista para semi

Yan Resende, especial para a GE.Net São Paulo (SP)

Caçado em campo na vitória sobre o Bragantino, por 2 a 0, nesta quinta-feira, Valdivia deixou o gramado do Estádio do Pacaembu com o tornozelo bastante inchado. Desta forma, o meia chileno passou a ser dúvida para o confronto do Palmeiras deste domingo, contra o Ituano, pelas semifinais do Campeonato Paulista, mas o departamento médico alviverde mostrou otimismo com relação à situação do jogador.

Enquanto os reservas fizeram um descontraído treinamento com bola na tarde desta sexta-feira, os titulares realizaram apenas um trabalho regenerativo na sala de musculação da Academia. Valdivia, no entanto, não participou das atividades, se limitou a atividades na fisioterapeuta, justamente por causa do inchaço em seu tornozelo direito.

Apesar do mistério com relação à situação do jogador, o médico Vinícius Martins manteve o otimismo. Questionado sobre a recuperação do meia, o representante do Palmeiras afirmou que Valdivia vai seguir em tratamento até o jogo contra o Ituano, mas não deve ser problemas para domingo.

Divulgação
O médico Vinícius Martins conversou com Kleina e manteve o otimismo (Crédito: Cesar Greco/Ag Palmeiras)
Na partida contra o Bragantino, o meia apanhou bastante, irritou os adversários, mas quase perdeu a cabeça e correu o risco de ser expulso. A raça demonstrada em campo, no entanto, rendeu elogios por parte do treinador Gilson Kleina, que não deixou de falar sobre a determinação demonstrada pelo camisa 10 do Palmeiras mesmo quando estava sem bola.

Em um dos momentos mais tensos da partida, Fernando Prass teve que sair do gol para acalmar os seus jogadores, defendendo Valdivia depois de mais uma falta dura da equipe adversária. Questionado sobre a violência do Bragantino nesta quinta-feira, goleiro lamentou a falta de lealdade em alguns lances.

“Só aconteceu aquela confusão porque o Valdivia sofreu a falta, o árbitro marcou, e o jogador do Bragantino colocou a mão na cara do Valdivia. Quando passa para esse nível, se o arbitro não toma uma posição, como não tomou, temos que tomar parte também. Não podemos deixar um jogador nosso caído no chão”, afirmou Fernando Prass.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade