Futebol/Campeonato Paulista - ( - Atualizado )

Wesley volta decidindo jogo e tem até discussão com Lúcio minimizada

William Correia São Paulo (SP)

Em suas duas derrotas no ano, o Palmeiras não contou com Wesley. E o volante mostrou nesta quinta-feira que pode não só manter a invencibilidade, mas ser decisivo na busca pelo título paulista. O camisa 11 fechou o placar e teve atuação tão importante, após quatro jogos vetado por lesão muscular, que até uma ríspida discussão com Lúcio acabou minimizada.

Na saída do intervalo, quando o time vencia por 1 a 0, Lúcio e Wesley foram para os vestiários batendo boca. “Foi normal, para tentar evitar a saída pelo meio, pelas laterais seria mais fácil. Mas está boa a comunicação, vamos nos entrosando, nos conhecendo. E deu resultado no segundo tempo. Tivemos muitas chances de gol e mantivemos o controle da partida”, explicou Lúcio.

O volante já tinha ajudado batendo o escanteio que culminou no gol de Alan Kardec e, no segundo tempo, aproveitou passe do centroavante para fechar a vitória por 2 a 0. “Fiquei um pouco fora e senti um pouquinho, mas me senti bem. Sou magrinho, meu biótipo ajuda e não fiquei parado, fiquei na academia. Joguei os 90 minutos e me senti bem em campo”, sorriu Wesley.

Sua participação direta nos dois gols é o ponto alto de um desempenho decisivo como ‘motor’ do time. “Ele tem uma dinâmica de jogo muito boa, faz duas ou três funções, recompõe”, elogiou Fernando Prass. “O Wesley é diferenciado. Sai da linha defensiva para a ofensiva com muita qualidade”, completou Alan Kardec.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
Após quatro jogos fora por lesão muscular, volante voltou participando dos dois gols da vitória nas quartas de final
Fã do volante, Gilson Kleina comemorou sua volta após lesão na coxa direita. “Conversamos muito sobre a necessidade de movimentação. O adversário não esperava que o Wesley caísse pelos lados, achavam que ele viria por dentro e isso mexeu um pouco com o esquema do Bragantino. Ele procurou fazer as jogadas mais perigosas”, ressaltou o técnico.

O discurso de Wesley, contudo, é humilde. “Não, não sou o cara. Sou mais um que tenta ajudar. Eu me movimento bastante, sempre procurando ocupar os espaços e fico feliz pelas estatísticas”, comemorou um dos invictos no Palmeiras em 2014.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade