Atletismo/Bastidores - ( - Atualizado )

Pistorius confirma briga, mas relata “paixão” e tenta comover tribunal

Pretória (África do Sul)

O maior atleta paraolímpico de todos os tempos voltou a prestar depoimento nesta terça-feira, em Pretória (África do Sul). Acusado de ter assassinado propositalmente a sua namorada, a modelo Reeva Steenkamp, no ano passado, Oscar Pistorius retornou ao tribunal e, novamente, apelou para o lado emocional a fim de convencer o júri de sua inocência. De fala mansa e embargada, o atleta sul-africano confirmou que brigava com Reeva, mas relatou que ele estavam apaixonados e, em um momento, até retirou suas próteses para exemplificar algumas situações do crime no tribunal.

Pistorius, que, no depoimento da última segunda-feira, pediu desculpas a família de sua ex-namorada e se emocionou ao falar sobre o tema, voltou a ressaltar a paixão que sentia por Reeva Steenkamp. De acordo com ele, ambos tinham problemas normais em todos os relacionamentos e até planejavam se casar e construir uma vida lado a lado. Para corroborar tal tese, a defesa do sul-africano apresentou um extensa lista de mensagens de celular íntimas entre o casal, mostrando carinho e cumplicidade de ambos.

A promotoria, por sua vez, contra-atacou, revelando que Oscar era ciumento e arrogante, e também expondo uma mensagem, mas de janeiro de 2013, na qual Reeva dizia “ter medo” do atleta. Ele se defendeu, dizendo que, naquele dia, o casal havia tido um desentendimento comum a todos os casais, e que, na sequência, pediu desculpas a namorada. “Minha senhora, acho que este foi um dia ruim em nosso relacionamento”, disse Pistorius à juíza responsável pelo caso.

AFP
Acusado de ter assassinado propositalmente a modelo Reeva Stenkamp, Oscar Pistoirus se emocionou no tribunal

Oscar Pistorius vem sendo julgado pelo assassinato da modelo e namorada Reeva Steenkamp. O sul-africano a alvejou em fevereiro do ano passado, mas diz ter se tratado de um engano. Segundo Pistorius, ele acordou nas primeiras horas do dia dos namorados para pegar um ventilador, quando ouviu um barulho vindo do banheiro. Sentindo-se inseguro por estar sem suas próteses, o velocista pegou a pistola 9mm que guardava na cabeceira da cama e atirou quatro vezes através da porta.

Só depois disso, ele percebeu que Reeva não estava na cama e poderia ter sido atingida por engano. Ele, então, colocou as próteses e chamou ajuda para carregar a modelo até a parte inferior da casa, onde ela morreu antes da chegada dos médicos. Segundo os relatos das testemunhas dos primeiros dias de julgamento, foi possível ouvir gritos de uma mulher momentos antes dos disparos, o que contradiz a versão de Pistorius.

Nesta terça, porém, o atleta biamputado retirou suas próteses em pleno tribunal para mostrar ao júri como se sente nestas condições. "Minha senhora, é neste momento que tudo muda”, disse Pistorius, claramente emocionado. Ele ainda revelou que, após ter ouvido barulhos vindos da janela do banheiro, sentiu-se obrigado a pegar na arma para se defender. O sul-africano tambémd eclarou que gritou, pedindo para o possível “invasor” abandonar a sua casa, antes de disparar os tiros.

AFP
Caso seja considerado culpado, o atleta Oscar Pistorius pode pegar pena de 15 anos à prisão perpétua

Este foi o segundo dia seguido de julgamento com depoimento de Pistorius. O processo foi iniciado no mês passado, com os relatos de testemunhas. Caso seja considerado culpado, o sul-africano pode pegar pena de 15 anos à prisão perpétua, com direito a solicitar liberdade condicional depois de cumprir um quarto do tempo de reclusão. A decisão sobre o futuro do astro paralímpico está marcada para o dia 16 de maio.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade