Atletismo/Bastidores - ( - Atualizado )

Tribunal acata pedido, e julgamento de Pistorius só continua em maio

Pretória (África do Sul)

O Tribunal de Pretória acatou o pedido da promotoria e só retomará o julgamento de Oscar Pistorius, acusado de ter assassinado propositalmente a modelo e namora Reeva Steenkamp, no mês que vem. A informação foi divulgada nesta quarta-feira pela instituição, que terá um recesso de duas semanas e só continuará a julgar o sul-africano no dia 5 de maio.

De acordo com as principais agências de noticias do planeta, a juíza responsável pelo caso, Thokozile Masipa, avaliou que as apresentações de defesa e acusação demoraram mais do que o previsto e, assim, o adiamento permitirá que ela e seus assessores analisem melhor o processo. O pedido de recesso já havia sido feito pelo promotor Gerrie Nel, durante a sessão da última segunda-feira.

Portanto, o julgamento do atleta paralímpico mais bem sucedido da história recomeçará somente no dia 5 de maio, uma segunda-feira. Iniciado no dia 3 de março, ele já havia sido interrompido entre 5 a 13 de abril, também a pedido da promotoria, que queria mais tempo para consultar testemunhas. “No início não foi previsto que este julgamento demorasse tanto”, explicou Masipa, que tem de lidar com um processo que já ultrapassa a marca de duas mil páginas.

AFP
Um dos maiores atletas paralímpicos da história, Oscar Pistorius pode ser condenado à prisão perpétua

Oscar Pistorius vem sendo julgado pelo assassinato da modelo e namorada Reeva Steenkamp. O sul-africano a alvejou em fevereiro do ano passado, mas diz ter se tratado de um engano. Segundo Pistorius, ele acordou nas primeiras horas do dia dos namorados para pegar um ventilador, quando ouviu um barulho vindo do banheiro. Sentindo-se inseguro por estar sem suas próteses, o velocista pegou a pistola 9mm que guardava na cabeceira da cama e atirou quatro vezes através da porta.

Só depois disso, ele percebeu que Reeva não estava na cama e poderia ter sido atingida por engano. Ele, então, colocou as próteses e chamou ajuda para carregar a modelo até a parte inferior da casa, onde ela morreu antes da chegada dos médicos. Segundo os relatos das testemunhas dos primeiros dias de julgamento, foi possível ouvir gritos de uma mulher momentos antes dos disparos, o que contradiz a versão de Pistorius.

O processo foi iniciado no mês passado, com os relatos das testemunhas. Caso seja considerado culpado, o sul-africano pode pegar pena de 15 anos à prisão perpétua, com direito a solicitar liberdade condicional depois de cumprir um quarto do tempo de reclusão. A decisão sobre o futuro do astro paralímpico está marcada para o dia 16 de maio.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade