Futebol/Copa Libertadores - ( - Atualizado )

Cargo de Hungaro fica em risco após eliminação precoce

Gazeta Press Rio de Janeiro (RJ)

A grande oportunidade da carreira do técnico Eduardo Hungaro está perto de chegar ao fim. O treinador não vai resistir aos 3 a 0 sofridos diante do San Lorenzo, na Argentina, e sua demissão deverá ser anunciada até segunda-feira pelo presidente Maurício Assumpção. Apesar do dirigente pensar na manutenção do treinador, a pressão está sendo muito grande e já existe o receio de uma péssima campanha no Campeonato Brasileiro.

A verdade é que Maurício Assumpção precisa dar rapidamente uma resposta para não perder força política. Os principais líderes de oposição já partiram para o ataque e as escolhas do presidente são contestadas pela torcida e pela imprensa. O vice-presidente de futebol, Chico Fonseca, cuida das finanças do clube e é visto como um homem apenas de números. Sidnei Loureiro, gerente de futebol, também encontra muita resistência. Parte da oposição diz que as escolhas visaram apenas agradar a base aliada, de olho na eleição presidencial do fim do ano.

AFP
Técnico Eduardo Hungaro pode ser demitido do Botafogo
Maurício apostava em uma boa campanha na Libertadores para calar os críticos. Porém o clube teve a sua pior participação na história do torneio, pois nunca havia caído na fase de grupos. Soma-se à "galeria" de feitos de Hungaro a pior campanha também no Campeonato Carioca. O histórico de sete vitórias, seis empates e dez derrotas em 23 jogos servem para depor ainda mais contra o treinador, que deixa a decisão nas mãos da diretoria.

"Fui contratado para ser o técnico em dois mil e catorze, mas, pelo planejamento, não esperava essa eliminação na Libertadores. Quanto ao futuro vocês devem perguntar para a diretoria", disse Hungaro.

O treinador ainda deu uma declaração que pode auxiliar na sua queda. Ao tentar passar a imagem de que acredita no futuro do time, acabou cobrando reforços.

"Quando formamos o elenco, sabíamos que seria de grande dificuldade avançar na Libertadores. Sabíamos que teríamos dificuldade em passar de fase pelos poucos reforços. Chegamos ao oitavo jogo nosso e somente hoje não conseguimos pôr em prática o que treinamos. Sabemos dos nossos limites, mas mostramos ser competitivos", analisou Eduardo Hungaro.

Em um ano eleitoral Maurício Assumpção pode acabar sendo obrigado a investir mais na contratação de um treinador de nome. As opções no mercado são poucas e alguns já começam a ser ventilados, como Celso Roth e Ney Franco. O futuro porémé que vai dizer quem assumirá o comando alvinegro.

Ainda em relação ao futuro, a eliminação na Libertadores intensificou a necessidade de se procurar reforços. Os dirigentes correm para anunciar o atacante Emerson Sheik, que está fora dos planos do técnico do Corinthians, Mano Menezes. O bom relacionamento entre as duas partes deverá agilizar o acordo. Falta apenas detalhes nas tratativas com o jogador envolvendo o tempo de duração de contrato. O atacante seria contratado por empréstimo, com o Corinthians se responsabilizando por parte dos salários.

Dentro de campo o Botafogo volta a jogar somente no dia 20 de abril, quando estreia no Campeonato Brasileiro medindo forças com o São Paulo, no Morumbi, em São Paulo (SP), às 16h(de Brasília). Além do Brasileirão, o clube ainda terá pela frente a Copa do Brasil, mas nesta competição sua participação começará apenas nas oitavas de final.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade