Futebol/Bastidores - ( )

Concorrência será maneira de Aidar definir consultoria de gestão

Tossiro Neto São Paulo (SP)

Depois de ter nomeado três vice-presidentes em menos de 48 horas, Carlos Miguel Aidar já se prepara para seu próximo passo como mandatário do que chama de "novo São Paulo". Através de uma espécie de licitação privada, ele pretende definir a consultoria que irá ajudá-lo a implementar um modelo de gestão mais moderno, após oito anos de Juvenal Juvêncio à frente do clube.

Três são os principais exemplos de credibilidade no mercado, na opinião do novo presidente, que considera "acomodado" o atual modelo de gestão são-paulino: Instituto Áquila, FVG (Fundação Getúlio Vargas) e a norte-americana McKinsey & Company. A ideia é abrir uma concorrência para que empresas interessadas apresentem propostas.

Rubens Chiri/www.saopaulofc.net
João Paulo de Jesus Lopes, agora vice-presidente administrativo, comandará esse processo no clube
"Vamos contratar consultorias especializadas para poder desenvolver esse processo da maneira mais transparente possível", confirma o novo vice administrativo, João Paulo de Jesus Lopes (substituído no departamento de futebol por Ataíde Gil Guerreiro), dotado de boa experiência em cargos públicos de administração.

"Sem dúvida nenhuma, uma empresa como o São Paulo merece ter uma atualização de gestão. Os clubes brasileiros, em sua maioria, herdaram um sistema das entidades associativas que se reuniam para a prática do futebol. Essas estruturas mudaram muito. O futebol, hoje, é um grande negócio, e é salutar procurar se adaptar aos novos tempos", completa o dirigente.

Jesus Lopes fazia parte da diretoria de Juvenal, o qual, apesar de ter escolhido e apoiado Aidar como nome da situação na eleição, não foi poupado de considerações negativas de seu agora sucessor. Em entrevista concedida à GE.net no mês passado, o então candidato disse ser necessário abandonar o modo com que o clube vinha sendo gerido ultimamente. Um modo, para ele, que se acomodou por um continuísmo estabelecido ao longo de oito anos.

"Só tem um jeito de mudar isso, e é através de um choque de gestão", propôs, na ocasião. "Eles (representantes da consultoria contratada) chegam com as especialidades deles, diagnosticam tudo o que veem, entrevistam uma por uma as pessoas e trazem uma proposta para a gente. Aí a diretoria decide implementar através deles - ou com recursos próprios, isso a gente vê depois. Isso é importante. É importante porque, tendo uma base sólida de gestão, você tem mais tempo para se dedicar de um lado à política do futebol, de outro à política social do clube".

Quem cuidará mais de perto disso é justamente Jesus Lopes. "Pela relevante experiência profissional que ele tem em gestão e administração, inclusive em áreas governamentais", explicou Aidar, na sexta-feira. "Ele assume a incumbência de capitanear e dirigir essa reforma administrativa. A intenção é modernizar planos de meta e toda a infraestrutura que dará suporte ao novo São Paulo".

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade