Futebol/Campeonato Brasileiro - ( )

Distante de estreia, Elias promete perfil de líder no Corinthians

Luiz Ricardo Fini São Paulo (SP)

O meio-campista Elias conseguiu se destacar em sua primeira passagem pelo Corinthians, mas entende que foi apenas coadjuvante naquela época. De volta ao Alvinegro, o volante se diz pronto para ser um dos líderes do elenco, apesar de saber que ainda falta muito tempo para sua estreia.

“Fui coadjuvante na primeira passagem, pois o Corinthians tinha grandes jogadores, que davam a cara. Estou voltando e já assumi essa responsabilidade no Flamengo, sendo um dos líderes do elenco. Aqui, vou tentar conquistar (espaço) novamente para me impor e passar toda a experiência que adquiri durante esses anos”, comentou.

Elias iniciou sua história no Timão entre 2008 e 2010, transferindo-se em seguida para o Atlético de Madri e, posteriormente, ao Sporting. No ano passado, foi um dos principais jogadores do Flamengo. Agora, neste retorno ao Alvinegro, o atleta reencontra o técnico Mano Menezes, com quem trabalhou no próprio clube paulista e também no carioca.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
Elias afirma que foi coadjuvante em primeira passagem no Corinthians e quer ser líder agora
“Fica mais fácil, porque ele já me conhece e eu também sei do que ele gosta. Assim, vou procurar passar toda a experiência que adquiri aos jogadores mais jovens, que estão querendo crescer e alcançar o mesmo sucesso que atingi”, comentou.

O problema para o volante é que só poderá estrear em julho, quando as inscrições no futebol brasileiro estarão abertas novamente. “Vou ter que esperar muito. Os nove jogos vão demorar a passar, mas tenho que trabalhar. Sei que a cobrança vai ser grande em cima de mim e tenho de estar preparado para isso”, afirmou o meio-campista.

Elias era cobiçado pelo Corinthians na época em que a janela de transferências ainda estava aberta, mas o Sporting se mostrou duro nas negociações. Sob o olhar também do Flamengo, o atleta só acertou seu retorno ao Timão na semana passada, depois de um acordo da diretoria com os portugueses.

“A ansiedade é boa, mas não me esqueço de trabalhar, pois tenho de ficar preparado. A cobrança vai ser enorme e tenho de corresponder a toda a expectativa”, completou.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade