Futebol/Copa Libertadores da América - ( - Atualizado )

Eliminado na Libertadores, Portugal não vê necessidade de reforços no CAP

Do correspondente Luiz Felipe Fagundes La Paz (Bolívia)

Não deu para o Atlético Paranaense na Libertadores da América 2014. O Furacão caiu diante do The Strongest por 2 a 1, em La Paz, e ficou com a terceira colocação do Grupo 1, insuficiente para seguir na competição. Nem mesmo o primeiro gol de Adriano com a camisa rubro-negra e as defesas de Weverton salvaram o time da altitude e da pressão boliviana.

O técnico Miguel Ángel Portugal, que deve encontrar pressão em seu retorno a Curitiba, elencou alguns fatores que levaram o time à queda. “Tivemos uma classificação muito dificil para a fase de grupos. Trabalhamos com uma equipe jovem, tivemos poucos dias. E os três pontos do Velez, que jogou aqui com o segundo time, também fez grande diferença”, avaliou o treinador, que ainda lamentou os tropeços do próprio Furacão. “As duas partidas contra o Vélez e essa (The Strongest) penso que poderíamos ter feito algo mais”, disse.

Projetando o Campeonato Brasileiro, próximo compromisso do Rubro-Negro na temporada, Miguel Ángel, que espera seguir no cargo, garante que não precisa de reforços, apenas tempo para tornar o grupo competitivo e experiente. “Temos o Brasileirão. Estou feliz como grupo que tenho. Temos jogadores que precisam de tempo para ganhar experiência. Mas acredito que o Furacão será um time importante na competição”, concluiu.

Divulgação/C. Atlético Paranaense
"Estou feliz como grupo que tenho. Temos jogadores que precisam de tempo", disse Portugal

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade