Futebol/Copa Libertadores da América - ( - Atualizado )

Grêmio bate o Nacional-URU e encara o San Lorenzo na Libertadores

Do correspondente Vicente Fonseca Porto Alegre (RS)

O Grêmio confirmou sua grande campanha no “grupo da morte” da Libertadores e finalizou invicto sua trajetória na fase inicial da competição. O Tricolor bateu o Nacional-URU nesta quinta, na Arena, por 1 a 0, e terminou na liderança de sua chave, com 14 pontos. Barcos marcou o único gol, de pênalti.

O Tricolor Gaúcho precisava apenas de um empate para confirmar a liderança do grupo. Conseguiu seu gol cedo e tirou o pé, tornando o primeiro tempo monótono. A segunda etapa foi mais movimentada, com ambos os times adotando postura mais ofensiva. O placar, porém, seguiu em 1 a 0.

Com a vitória, o Grêmio conquistou a segunda melhor campanha da fase de grupos da Libertadores, e agora vai encarar o campeão argentino San Lorenzo nas oitavas de final. O vencedor deste confronto pegará Cerro Porteño ou Cruzeiro nas quartas. Neste domingo, o Tricolor volta a campo diante do Internacional, precisando vencer por dois gols de diferença para ser campeão gaúcho.

O jogo – O Nacional entrou em campo com duas linhas de quatro, visando conter o ataque do Grêmio. Porém, logo no primeiro minuto o time gaúcho quase abriu o placar: Barcos escapou pela esquerda e cruzou rasteiro na área. Riveros por pouco não marcou de carrinho. Aos 12, o gol: Barcos foi lançado por Werley na área, mas Píriz o derrubou. O pênalti foi marcado pelo assistente Efraín Castro. Barcos bateu, Munúa chegou a tocar na bola, mas não impediu o gol.

O Nacional não se intimidou com a desvantagem e passou a atacar mais o Grêmio. Aos 17, Alonso arriscou de longe e Marcelo Grohe defendeu com dificuldade em dois tempos. A seguir, Arismendi tentou achar o ângulo de Grohe, e a bola saiu levando perigo. Mas a reação uruguaia arrefeceu, e o jogo caiu muito de ritmo, sem chances de gol até o fim do primeiro tempo.

Com Jean Deretti no lugar de Edinho, o Grêmio voltou do intervalo disposto a ampliar a vantagem. Aos 7, Werley serviu Barcos, que cortou Scotti e tentou encobrir Munúa, que fez grande defesa. A seguir, Dudu entrou livre e chutou para defesa de Munúa no chão, e De Los Santos afastou no rebote. Aos 12, Barcos arrematou com perigo por cima.

Passada essa pressão, o Nacional cresceu no jogo. Ameaçou aos 15, quando Dorrego quase fez gol olímpico, mas Marcelo Grohe impediu. Dois minutos depois, o goleiro gremista bateu roupa em chute de Alonso, mas a zaga cortou. Aos 20, os uruguaios reclamaram pênalti em lance no qual Dudu tocou com o braço na bola. O Grêmio respondeu em duas boas chegadas de Jean Deretti, uma cortada pela zaga e outra que saiu por cima do gol.

O jogo então caiu de ritmo novamente, até que Jean Deretti perdeu um gol incrível. Aos 38, Barcos lançou Pará, que fintou a marcação e cruzou rasteiro para Deretti, sozinho, na pequena área. O meia errou o domínio e Munúa conseguiu salvar a seus pés. Aos 43, Lucas Coelho arrancou livre pela esquerda, mas chutou muito mal após cortar o zagueiro e mandou por cima do gol. Nos descontos, o goleiro Munúa incrivelmente quase marcou o gol de empate do Nacional após cobrança de escanteio. No contra-ataque, Barcos entrou sem goleiro, mas foi preciosista e perdeu uma chance inacreditável de ampliar.

Em Rosário, o Newell’s Old Boys acabou eliminado ao levar 3 a 1 do Atlético Nacional. Logo aos cinco minutos, López, da equipe argentina, e Cardona, pelo time de Medellín, foram expulsos. Tréllez, Cárdenas e Berrio marcaram os gols colombianos, e Casco descontou. O Newell’s é o único time argentino que não conseguiu classificação para as oitavas de final. A equipe colombiana pegará o Atlético-MG na primeira fase.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade