Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Juvenal exalta própria gestão e se diz Padre Cícero do Morumbi

Tossiro Neto São Paulo (SP)

Próximo do final dos seus oito anos de gestão no São Paulo, Juvenal Juvêncio crê que entregará o cargo com dever cumprido. Presente no Morumbi para a eleição do Conselho Deliberativo, o presidente usou cumprimentos de eleitores de camisa amarela (cor da chapa de situação) para enaltecer seu trabalho à frente do clube.

"Minha liderança é legítima. Pergunte a todos que estão aí chegando sobre minha respeitabilidade. Meu índice de inadimplência com o sócio é de 0,14%. Não existe no País! Por que não enumerar isso e dar como uma meta a ser seguida? Se você for daqui até ali no estádio, você tem uma iluminação italiana. Sabia? Italiana! Toda italiana. Uma beleza!", disse, sorridente, neste sábado.

Juvenal interrompeu momentaneamente a conversa com a imprensa para responder à saudação de um senhor de idade, que segurava uma muleta dentro de um carro e fez questão de se despedir do velho conhecido. "Olha aí. Um médico de 90 anos, de Recife! Veio aqui votar conosco! Isso aí são fatos. O resto é mentira! Não é versão, é mentira!", comentou, orgulhoso, antes de dar sequência à argumentação de que só não é bem quisto longe das dependências do Morumbi.

"Aqui na casa, eu sou um Padre Cícero. Olhe lá", falou, apontando à passarela que liga uma área de conveniência ao ginásio (local de votação deste sábado), de onde alguns associados lhe acenavam. "Aqui na casa, sou um Padre Cícero. Vocês (jornalistas) metem o pau lá fora, mas os caras aqui não ouvem vocês nunca. Porque eles acreditam no que estão vendo, não no que vocês falam".

Djalma Vassão/Gazeta Press
Dirigente assumiu o comando do clube em 2006, no primeiro de seus três mandatos consecutivos no São Paulo
Padre Cícero foi Cícero Romão Batista, um sacerdote católico brasileiro e figura carismática de devoção popular no Nordeste, onde também é chamado de Padim Ciço. Até 1934, quando faleceu aos 90 anos, teve grande prestígio e influência sobre a vida social, política e religiosa do Ceará. Juvenal, por sua vez, não é considerado santo, mas se gaba por algumas conquistas obtidas desde 2006, quando iniciou o primeiro de seus três mandatos consecutivos.

"Fui um presidente eficaz, eficiente. Que transformou esse clube. Esse clube durante 20 anos vai respirar uma coisa chamada Juvenal Juvêncio. Por onde andar dentro do clube na parte social! Vocês não falam porque esquecem. Saio daqui consagrado pelo voto popular. As urnas (ainda) não se abriram, vão se abrir, e lá dentro tem um papel dizendo a minha aprovação. Sabiam disso?", indagou o mandatário tricampeão brasileiro (2006, 2007 e 2008) e vencedor da Copa Sul-americana de 2012.

A eleição deste sábado substituirá 80 conselheiros, que se juntarão a 155 vitalícios na escolha do novo presidente do São Paulo para os próximos três anos, em pleito marcado para 16 de abril. Nele, concorrerão Carlos Miguel Aidar (situação) e Kalil Rocha Abdalla (oposição).

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade