Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Magoado, Sheik não quer trabalhar "nunca mais" com Mano Menezes

São Paulo (SP)

Que a relação entre Emerson e Mano Menezes não foi das melhores no Corinthians já não é mais novidade. Em declarações recentes, o atacante mostrou insatisfação e chegou a questionar o caráter de seu ex-técnico. Mas o descontentamento de Sheik com o treinador não para por aí. Em entrevista à TV Globo, ele isentou a diretoria alvinegra de culpa sobre seu desligamento do clube, responsabilizou Mano e garantiu querer permanecer longe do comandante.

“A direção foi perfeita, profissional, amiga e nos momentos em que mais precisei eles estavam presentes. Mas acho que tem que ter honestidade de chegar, falar com a pessoa, ser claro. Seria chegar e ter uma conversa franca: não quero, passou e me emprestaram para um clube. Sou adulto, estou nessa há muito tempo. Faltou isso para ele (Mano Menezes). É um cara que eu não quero trabalhar nunca mais, não agrega nada”, dispara Emerson.

Campeão de praticamente tudo pelo Corinthians, Emerson Sheik chegou a ser a principal arma do ataque alvinegro na campanha vitoriosa na Libertadores de 2012. Sob comando do técnico Tite, o atacante caiu nas graças da Fiel com seu estilo aguerrido e, ao mesmo tempo, irreverente e provocador.

Divulgação/Agência Corinthians
Relação conturbada entre atacante e técnico durou poucos meses no Corinthians (foto: Daniel Augusto Jr.)
Durante o último ano, porém, cogitou-se no Parque São Jorge a não renovação de seu contrato devido ao alto valor dos salários e o baixo rendimento em campo. Com a saída de Tite e a chegada de Mano Menezes, ele teve cada vez menos espaço nos primeiros meses desta temporada, o que culminou em sua saída para o Botafogo. Mas na visão do jogador, a queda de produção não precisaria resultar em seu afastamento do elenco e no consequente empréstimo ao time.

“Era uma opção dele (me afastar do grupo). Não era obrigado, mas teria conversa. Essa conversa que eu acho que seria honesta. O segundo semestre de 2013 foi muito ruim, muito abaixo do que eu poderia render”, admite Emerson, mas acreditando que a saída não influencia no carinho da torcida. “Acho que (a importância nos títulos) não se perdeu, mas certamente isso poderia ser preservado ou cuidado de uma maneira diferente”, lamenta.

Agora defendendo o time carioca, Emerson deve fazer sua estreia neste domingo, contra o Internacional. A partida será disputada no Maracanã, a partir das 16 horas (de Brasília), e vale pela segunda rodada do Campeonato Brasileiro.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade