Futebol/Campeonato Brasileiro - ( )

Mano vê a torcida voltar a apoiar e pede o mesmo em Itaquera

Helder Júnior São Paulo (SP)

Mano Menezes ficou satisfeito com o apoio que o Corinthians recebeu em seu último jogo no Pacaembu antes de começar a usar a arena de Itaquera, na Zona Leste de São Paulo. Para o treinador, a equipe se sentiu acolhida na vitória por 2 a 0 sobre o Flamengo como havia tempos não ocorria no estádio municipal.

“O que mais me agradou foi que, depois de algum tempo, vi torcida voltar a empurrar da forma como a gente se acostumou e se tornou dependente. Foi um jogo especial. Espero que esse comportamento continue. O time vai fazer tudo no dia a dia para ser merecedor desse apoio”, comentou Mano.

O ambiente de domingo estava propício para existir uma sintonia maior entre o Corinthians e os quase 40.000 torcedores presentes no Pacaembu. Era o aniversário de 74 anos do estádio municipal, a “saudosa maloca”, conforme o clube se inspirou no músico Adoniran Barbosa para apadrinhar. Também foi dia de o meio-campista Elias se reapresentar à torcida.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
Torcedores vibraram bastante no último jogo corintiano no Pacaembu antes da mudança para Itaquera
“O Pacaembu foi muito importante nas vidas de todos nós, desde quem participa dos jogos do Corinthians no gramado até quem está nas arquibancadas. Fiquei feliz porque o torcedor se sentiu parte dessa despedida, e isso aconteceu naturalmente”, rememorou Mano.

O treinador espera que a adaptação do Corinthians à nova casa também seja natural. Se tudo transcorrer conforme o planejado, a primeira partida oficial da arena de Itaquera, sede da abertura da Copa do Mundo deste ano, será contra o Figueirense no domingo de 18 de maio.

“A gente realmente vai precisar de um período de adaptação. Não tenham dúvidas disso. O gramado é diferente. As referências, bonitas por sinal, são outras. Deveremos construir o nosso ambiente lá, e isso demora um pouco”, advertiu Mano Menezes, que não espera tanta paciência na sua busca por apoio. “Pedir compreensão para torcedor é utopia. Sabemos que teremos que nos adaptar com vitórias”, sorriu.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade