Futebol/Copa do Brasil - ( - Atualizado )

Olheiro de Muricy volta de Maceió e prevê partida "muito difícil"

Tossiro Neto São Paulo (SP)

Precavido contra uma nova eliminação dentro do Morumbi, Muricy Ramalho enviou um observador a Maceió, no fim de semana, para colher dados atualizados do CSA, adversário do São Paulo, nesta quarta-feira, pela partida de volta da primeira fase da Copa do Brasil. As informações recebidas são de que a equipe alagoana acumula uma série de problemas desde o primeiro jogo, mas que isso talvez não seja necessariamente uma boa notícia.

"O que vi lá foi um time com muitos problemas administrativos, com problemas com a torcida...", conta o ex-jogador Marcos Vizolli à GE.net. Ele viajou no domingo pela manhã, assistiu à derrota do CSA para o ASA (por 3 a 0, no Rei Pelé) e retornou à capital paulista na segunda-feira, seguindo direto para o CT da Barra Funda, onde se reuniu com Muricy para deixá-lo a par das novidades.

"Eles estavam muito desfalcados por suspensões, então não dá para tirar esse jogo como base. A julgar por ele, nosso jogo seria aparentemente tranquilo, na quarta-feira, mas um jogo só se torna tranquilo quando você toma controle das ações. Eu acredito que será um jogo muito difícil, porque eles estarão mais motivados. O jogo será televisionado, o da vida deles, uma grande oportunidade", explica o funcionário das divisões de base, que, vez ou outra, quebra galho para o profissional.

Rubens Chiri/www.saopaulofc.net
No jogo de ida, em Maceió, o CSA suportou o São Paulo relativamente bem e perdeu por apenas 1 a 0
Os problemas do CSA realmente são muitos. Desde o revés para o São Paulo, em 12 de março, o clube trocou de treinador três vezes. Oliveira Canindé, comandante naquela ocasião, pediu demissão para assumir o América-RN. Quem o substituiu foi Estevam Soares, demitido depois de quatro partidas. A diretoria então apostou em Lino, técnico da base, porém o tirou do cargo e deu o comando da equipe a Marlon Araújo, na segunda-feira, dia seguinte ao revés para o ASA.

Em meio às mudanças, o time é o dono da segunda e última vaga do grupo B do Alagoano, momentaneamente, com apenas um ponto de frente para o Murici. Dessa forma, um tropeço no domingo para o rival CRB, na condição de visitante, pode eliminá-lo. Trata-se, portanto, de uma semana decisiva para o CSA, que ficaria muito tempo inativo caso seja eliminado nas duas competições - se cair no Estadual antes do mata-mata, não disputará a Série D do Brasileiro.

No papel, porém, a formação agora comandada por Marlon Araújo (que é comentarista esportivo de uma rádio alagoana e major da Polícia Militar) não deve ser muito diferente daquela que enfrentou - e suportou relativamente bem - o São Paulo há quase um mês. A principal dúvida é o lateral esquerdo Mineiro, que entrou no decorrer do duelo com o ASA, mesmo sem estar totalmente livre de dores na coxa direita que havia acusado na semana.

Esse não foi o primeiro jogo do CSA observado por Vizolli. Próximo de Muricy e do coordenador técnico do profissional, Milton Cruz, ele já havia recebido pedido dos dois para assistir a uma partida da Copa do Nordeste, em Vitória da Conquista, antes do confronto de ida do São Paulo, na Copa do Brasil. Além disso, também espiou adversários ao longo do Paulista e da Copa Sul-americana de 2013.

Para avançar à segunda fase do torneio mata-mata nacional, o São Paulo pode até empatar nesta quarta-feira, em confronto marcado para 22 horas (de Brasília). Caso o rival devolva o 1 a 0 do jogo de ida, a vaga será decidida nos pênaltis, tipo de disputa em que a equipe paulista foi eliminada pelo Penapolense, nas quartas de final do campeonato estadual, há duas semanas, dentro de casa.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade