Futebol/Copa do Brasil - ( - Atualizado )

Paulo Almeida se emociona e fica ansioso para ir à Vila com o Mixto

Cuiabá (MT)

O veterano Paulo Almeida era um dos jogadores do Mixto mais animados com o jogo de ida da primeira fase da Copa do Brasil. Na noite desta quarta-feira, na inauguração da Arena Pantanal, ele teve a oportunidade de enfrentar o Santos, clube que o projetou com a conquista do Campeonato Brasileiro de 2002. O empate por 0 a 0 garantiu a partida de volta de 16 de abril, na Vila Belmiro.

“Se eu começar a falar demais, vou acabar chorando. Agora, vou para a Vila com o coração daquele jeito”, sorriu Paulo Almeida, ao conceder entrevista à ESPN após a jogo. “O nosso time jogou como treinou nos últimos 15 dias, marcando bem. Sabemos que não se pode dar espaço para a garotada do Santos. Tivemos até algumas oportunidades. Mas o primeiro objetivo foi cumprido: ir para a Vila”, complementou.

O volante terá mais duas semanas de preparação para o novo reencontro com o Santos. Desta vez, em um local que ele conhece bem. “Vamos ver o que pode acontecer lá. Será difícil segurar a emoção naquele estádio. Esses 14 dias que faltam para o jogo vão demorar uma eternidade para passar”, comentou.

Nesta quarta-feira, Paulo Almeida já sentiu a nostalgia de reencontrar um amigo dos tempos de Vila Belmiro. Antes de começar a enfrentar o Santos, o volante do Mixto fez questão de ir ao banco de reservas adversário e cumprimentar o lateral esquerdo/meia Léo. “Passou um filme na minha cabeça quando o encontrei. Lembramos muita coisa que passamos juntos. Ralamos para caramba naquela época”, disse o Menino da Vila, aos seus 32 anos.

Secopa/Divulgação
O Mixto dos veteranos Paulo Almeida e Ruy Cabeção segurou o Santos (foto: Edson Rodrigues/Secopa-MT)
Cabeção quer surpreender
Com a camisa dez do Mixto nas costas, o versátil e também veterano Ruy Cabeção queria mais do que o empate sem gols com o Santos na Arena Pantanal. O jogador com passagens por Cruzeiro, Botafogo, Grêmio, Fluminense, entre outros, sonha com a classificação à próxima fase da Copa do Brasil.

“Como o presidente disse, entramos para dar o máximo na inauguração da arena, um jogo histórico para a torcida e para todo o Mato Grosso. Não foi da forma como queríamos, pois corremos atrás, mas agora vamos tentar surpreender o Santos na Vila”, projetou Ruy Cabeção.

O atleta de 35 anos, contudo, sabe que a missão é complicada. “O time dos caras é bom para caramba, independentemente de ser titular ou reserva. Mas foi bacana o que fizemos aqui, após tanto tempo sem um jogo oficial”, concluiu.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade