Futebol/Campeonato Brasileiro Série A - ( )

Presidente questiona ‘vantagem’ de clubes do sudeste e promete agir

Goiânia (GO)

O Goiás está, de maneira invicta, classificado à decisão do Campeonato Goiano, mas, mesmo assim, a diretoria já pensa na disputa do Brasileirão, que se inicia no próximo dia 19 de abril. Irritado com a “desigualdade entre os clubes do eixo RJ-SP com os demais”, o presidente esmeraldino Sérgio Rassi prometeu tomar medidas para que seu descontentamento possa gerar melhorias à disputa da competição nacional.

“O time está preparado para o Brasileiro. Fizemos diferente dos outros anos. Estamos com a equipe montada desde o início do Goianão, com remanescentes de 2013. A torcida pode questionar a falta de contratações, mas é muito simples: não há dinheiro para isso”, disse em entrevista à Rádio 730, de Goiânia.

A falta de verba citada por Rassi pode ser explicada pela ação do presidente anterior a ele. João Bosco Luz, ex-mandatário esmeraldino, fez uma antecipação de receita com a rede de televisão detentora dos direitos de transmissão das partidas e deixou comprometida a quantia a ser recebida em 2014 e 2015. Antes, o Goiás ganharia cerca de R$ 2,5 milhões mensais. Agora, ganhará menos de R$ 2 milhões por mês. Na época, Bosco justificou dizendo que a situação dos cofres do clube estava complicada.

No entanto, o que mais incomoda Sérgio Rassi é a diferença nos valores recebidos por clubes de porte médio em comparação com equipes do sudeste como Corinthians e Flamengo, que lucram cerca de R$ 110 milhões por ano. Enquanto isso, Goiás, Coritiba e Bahia, por exemplo, tiram apenas R$ 30 milhões. O presidente prometeu agir contra isso, a fim de igualar os valores.

“Acho injusto essa desproporcionalidade no futebol nacional. Nos Estados Unidos, todos os times de futebol americano e basquete recebem a mesma cota relativa aos direitos de transmissão. Um clube pode ter mais torcedores, sócios e patrocinadores, mas as cotas de TV deveriam ser as mesmas”, lamentou.

Até 2016 essa diferença tende a aumentar, visto que os valores serão reajustados. Enquanto Corinthians e Flamengo passarão a ganhar R$ 170 milhões, os clubes considerados médios receberão R$ 35 milhões. Uma diferença de R$ 135 milhões.

O Goiás estreia no Campeonato Brasileiro justamente diante do Flamengo, no próximo dia 20 de abril, às 18h30 (de Brasília), no Maracanã. 

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade