Futebol/Campeonato Brasileiro Série B - ( )

Rebaixados no Estadual, Oeste e Vila Nova tentam a sorte na Série B

Marcos Vieira, especial para a GEnet São Paulo (SP)

Eles começaram o ano de 2014 amargando o rebaixamento para as divisões inferiores de seus respectivos estados. Porém, tiveram pouco tempo para digerir o insucesso, já que estão presentes no Campeonato Brasileiro da Série B. Esta é a realidade de Oeste e Vila Nova-GO, que buscam no segundo estágio do futebol nacional uma válvula de escape para salvar a temporada.

Com uma campanha de três vitórias, dois empates e dez derrotas, o Oeste terminou o Campeonato Paulista na 18ª posição, e acabou rebaixado, ao lado de Comercial (17º), Atlético Sorocaba (19º) e Paulista (20º). Dentre os fatores que culminaram na queda do Rubrão, além da incessante troca de treinadores (passaram pelo clube Ademir Fonseca, Sérgio Guedes e José Macena, durante o Estadual), está o imbróglio envolvendo o clube e o Estádio dos Amaros.

A interdição do campo oestino pelo Corpo de Bombeiros fez com que a equipe preambulasse pelo interior paulista. Catanduva, Matão, São Carlos e São José do Rio Preto foram as cidades escolhidas pelo clube, que retornou a Itápolis apenas na 12ª rodada. Em seu domínio, o Rubrão disputou apenas três partidas e, curiosamente, venceu todas. Os triunfos foram sobre Penapolense (1 a 0), Paulista (2 a 1) e Portuguesa (1 a 0).

Tratando de minimizar a queda, o diretor de futebol do clube, Mauro Guerra, foi enfático ao discorrer sobre o planejamento rubro-negro para a Série B: “O contexto é de reformulação, mas vamos escolher as peças com calma. Estamos observando atletas em São Paulo e também nos outros estados. Tudo dentro de nossa limitação. No início, a folha salarial será menor, pois estamos em busca de patrocinadores. Porém, durante o campeonato, mais nomes chegarão”, expressou.

Adiante, Guerra apontou a saída do goleiro Fernando Leal, responsável por marcar o primeiro gol do Oeste na história da Série B. Porém, garantiu a presença de atletas que formaram a espinha dorsal de 2013: “Conseguimos segurar nomes importantes, como Érick (lateral-direito), Ligger (zagueiro) e Fernandinho Galhardo (lateral-esquerdo, ex-Palmeiras)”, celebrou. Sem o arqueiro titular, Paes será efetivado como titular debaixo das traves.

Conhecido por levar a partida contra os clubes de maior expressão em estádios com maior capacidade para os torcedores, o mandatário não descartou atuar contra o Vasco, concebido como franco favorito ao título da competição, em Itápolis: “Vamos sentir o campeonato. Essa questão depende do nosso desempenho. Se precisarmos mandar nos Amaros, enfrentaremos o Cruz-maltino diante dos nossos torcedores”, revelou.

Remanescente na campanha inaugural do Rubrão na Série B, o volante João Denoni, cria do clube palestrino, expôs a desconfiança dos torcedores de Itápolis, mas afirmou que o clube está disposto a surpreender: “Como não tivemos sucesso no Campeonato Paulista, é normal que nos apontem como favorito a mais um rebaixamento. Porém, queremos apagar esta imagem. Vamos trabalhar para ser uma surpresa, não uma decepção”, sintetizou.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
João Denoni em ação pelo Palmeiras contra o Fluminense, no Prudentão, em partida válida pela Série A de 2012

Já no Vila Nova-GO, o otimismo coexiste com o realismo. Mesmo com o rebaixamento no Estadual, o jovem meia-atacante Gustavinho não poupou elogios para o técnico Sidney Moraes e projetou sucesso na campanha colorada: “O elenco está preparado. O professor nos passa muita confiança. É o primeiro treinador que conversa igualmente com todos os atletas, focando na parte tática. Falo muito com ele, principalmente sobre posicionamento, e assim tenho feito bons treinos. O Campeonato Goiano é passado. Devemos pensar apenas no Brasileiro da Série B”, ressaltou.

Por sua vez, o experiente zagueiro Álvaro, com passagens por Atlético-MG, Flamengo e Internacional, adotou um discurso mais realista: “Por enquanto, a meta é não cair. Porém, tudo pode acontecer. Se ganharmos dois ou três jogos na Série B, a coisa pode mudar. O grupo que está sendo criado é aguerrido e tem entendido o espírito dos treinamentos. É importante fazer uma equipe marcadora, que se preocupe em recuperar a bola e ajudar o companheiro. Seguirei trabalhando forte para ajudar a equipe neste torneio”, expressou.

Após o acesso para o Campeonato Brasileiro da Série C, sob o comando de Heriberto da Cunha, o Tigre não repetiu o mesmo feito no Estadual. Com uma campanha de três vitórias, quatro empates e sete derrotas, o Colorado, lanterna do Grupo B, acabou rebaixado com a pior campanha do torneio. Quem fez companhia ao clube da capital no descenso foi o Anápolis, que somou um ponto a mais.

O Vila Nova estreia na Série B diante do caçula Luverdense-MT, no estádio Serra Dourada, em Goiânia-GO. O embate ocorre nesta sexta-feira, às 19h30 (de Brasília). Já o Oeste debuta no torneio um dia depois do Colorado, diante do Ceará, às 21 horas, na Arena Castelão, em Fortaleza-CE.

Divulgação
Após levar o Icasa ao 5º lugar da Série B, em 2013, o jovem técnico Sidney Moraes teve passagem efêmera pela Ponte Preta, na elite do Campeonato Paulista, antes de chegar ao Vila Nova

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade