Futebol/Campeonato Brasileiro - ( )

Satisfeito com largada, treinador pede fôlego ao Corinthians na maratona

São Paulo (SP)

Mano Menezes não se ruborizou ao comemorar o empate sem gols do Corinthians com o Atlético-MG na primeira rodada no Campeonato Brasileiro, no último domingo. O treinador aprovou sem maiores ressalvas o passo inicial de sua equipe na competição, pedindo a manutenção do padrão e um crescimento gradativo nas próximas rodadas.

“Em uma partida fora de casa, o Corinthians estabeleceu um padrão de igualdade com o Atlético. Nossa ideia é manter isso e melhorar, porque é assim que se pensa uma competição como essa. É uma maratona”, afirmou o gaúcho, antes de ampliar sua metáfora.

“Usei isso como exemplo para os jogadores. Teremos uma corrida longa, que vai até o início de dezembro. Temos que saber corrê-la. Cada etapa dela, cada jogo tem o mesmo valor. É uma competição que exige muito, e a gente tem que saber valorizar o ponto obtido fora, embora não se abra mão de vencer”, acrescentou.

Assim Mano pretende levar o Corinthians, ao menos até a pausa no calendário nacional para a disputa da Copa do Mundo. Arrancar pontinhos longe de São Paulo e aproveitar a força da Fiel em jogos como o do próximo domingo, contra o Flamengo, no Pacaembu, será algo considerado bastante satisfatório.

Divulgação/Agência Corinthians
Mano planeja um passo mais apressado na segunda parte da maratona (foto: Rodrigo Coca)
Após a parada é que o gaúcho espera um salto de qualidade, pois acha que, a essa altura, terá uma boa ideia sobre o que precisa ser ajustado. E, além de poder integrar o já contratado Elias ao time, ele quer receber outros reforços, algo de que a diretoria está ciente.

“Temos mais oito jogos até a Copa. Será uma boa avaliação inicial para a gente aproveitar bem a parada e fazer os ajustes que entendermos ser os necessários para o Corinthians brigar por algo lá na frente”, disse Mano, descartando estabelecer uma meta de pontos na primeira etapa do campeonato.

Para o gaúcho, botar um número como objetivo é receita para decepção. De qualquer maneira, ele tem na cabeça o ritmo que seu time deve seguir para completar a maratona no pelotão da frente: estudo e cautela na primeira parte; fôlego renovado para um passo mais apressado no segundo semestre.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade