Futebol/Campeonato Brasileiro - ( - Atualizado )

Sem Kardec, Palmeiras deve ter três volantes contra o Fluminense

Helder Júnior São Paulo (SP)

Gilson Kleina preparou o Palmeiras para enfrentar o Fluminense na noite de sábado, no Pacaembu, sem o atacante Alan Kardec. Como o jogador está com gastrite, enfrenta um imbróglio para a definição de seu futuro profissional e nem apareceu para treinar nesta sexta-feira, o técnico já testou duas possíveis formações para a partida.

O sistema escolhido por Kleina deverá ter três volantes, com Wesley liberado para atacar. “Dessa forma, a gente tem marcação forte e ao mesmo tempo a dinâmica do Wesley. Ele é um volante de chegada, e não de contenção”, comentou o treinador, que já não contava com o meia Bruno César, com a coxa direita lesionada.

Apesar de já estar inclinado a utilizar Wesley antes mesmo do desfalque de Kardec se tornar quase certo, Kleina também observou o atacante Serginho entre os titulares, formando trio ofensivo com Marquinhos Gabriel e Leandro. A alternativa deverá ficar para o segundo tempo.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Kleina testou duas alternativas para a escalação do Palmeiras, uma com Wesley e outra com Serginho
A intenção de usar três volantes se deve também ao poderio ofensivo do Fluminense, bastante elogiado por Kleina. “Depois da troca de comando, o Fluminense fez 11 gols em três jogos. É um dos times que mais evoluíram no ataque. Eles têm jogadores leves, de muita qualidade e movimentação. Vamos ter que marcar bem, sabendo que um erro pode ser fatal, mas sem deixar de jogar. Também somos uma equipe grande e precisamos obter o resultado positivo dentro de casa”, disse.

Assim, o Palmeiras terá a seguinte escalação contra o Fluminense: Fernando Prass; Wendel, Lúcio, Tiago Alves e Juninho; Marcelo Oliveira, Josimar, Wesley (Serginho) e Valdivia; Marquinhos Gabriel e Leandro.

Crianças em campo
Titulares e reservas do Palmeiras não foram os únicos que correram nos campos da Academia de Futebol nesta tarde. Alan Kardec não estava lá, mas cerca de 50 crianças de uma escola particular da capital paulista invadiram o gramado para brincar com os jogadores durante pouco mais de dez minutos. Os visitantes tinham entre 2 e 5 anos.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade