Futebol/Campeonato Paulista - ( - Atualizado )

Vágner acaba Paulista com bola na mão e diz ter prometido defesa a Salles

São Paulo (SP)

Vágner não conseguiu finalizar os mata-matas do Campeonato Paulista sem levar um gol – foi vazado em batida de pênalti de Cícero –, mas teve participação decisiva na conquista do Ituano. Na última partida, além de fazer ao menos uma defesa muito difícil em conclusão de Cícero, pegou o pênalti do santista Neto no desempate e acabou a competição com a bola nas mãos.

“Eu precisava ajudar a nossa equipe e ajudar o (Anderson) Salles, que fez um grande campeonato, é o nosso batedor oficial e acabou perdendo. Eu disse a ele que pegaria”, afirmou o goleiro, recordando o erro do zagueiro na disputa por tiros da marca penal. Depois, Rildo bateu na trave, e Vágner fez a defesa que decidiu o Estadual.

O camisa 1 do Ituano só não conseguiu ficar com a bola porque um representante da Federação Paulista de Futebol o fez devolvê-la. “Mas vou pegar depois. Vou até o fim para pegar essa bola”, assegurou, cumprindo posteriormente a promessa. “Graças a Deus, pude contribuir com esse grupo de vencedores. Não sei nem o que falar.”

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
Vágner encerrou o Campeonato Paulista defendendo a cobrança do pênalti de Neto
Classificando a conquista do Paulista como a maior de sua carreira, o paranaense de 24 anos projetou voos maiores. O arqueiro – que já havia feito sua parte na disputa de pênaltis anterior, nas quartas de final, contra o Botafogo – tem contrato até o fim do ano, mas, como a Série D só começa após a Copa do Mundo, espera uma transferência.

Antes de definir o futuro, porém, Vágner só quer comemorar. Ao longo de toda a semana, ele repetirá o que fez na tentativa de desconcentrar os batedores do Santos, até ter sucesso com Neto. Claramente nervoso, o beque tocou involuntariamente com o pé de apoio na bola até conseguir ajeitá-la.

Nos momentos que antecediam cada cobrança, o goleiro apontou para seu canto esquerdo, pedindo o tiro ali. Neto atendeu e teve o chute defendido. “Você tem que tentar desestabilizar. Ele sabia que, se não fizesse o gol, o nosso time seria campeão”, sorriu, campeão.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade