Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Vídeo mostra Ceni discursando e dando camisa de jogo a Juvenal

Tossiro Neto São Paulo (SP)

Um vídeo divulgado nesta quinta-feira por um conselheiro do São Paulo revela os bastidores da homenagem feita pelos jogadores a Juvenal Juvêncio, após a vitória sobre o CSA, no Morumbi. Nele, o goleiro e capitão Rogério Ceni faz discurso de agradecimento ao presidente, na última partida de sua gestão, e lhe entrega a camisa utilizada na partida.

"O senhor foi um cara muito especial, na minha vida, na história do São Paulo. Pelas conquistas, mas (principalmente) por fazer o São Paulo crescer cada vez mais. Não conheci Laudo Natel como presidente, mas, após essa geração bem longínqua, o senhor foi o cara mais batalhador, mais empreendedor", iniciou o jogador, antes de justificar o porquê de ter dito, na semana passada, que o dirigente era uma pessoa centralizadora.

"Quando eu falo 'uma pessoa centralizadora', não é algo negativo. É uma característica do ser humano, e não um defeito, porque eu me sinto assim, porque meu pai é assim. Então, queria agradecer de coração por tudo o que a gente passou aqui, no Japão, na Bolívia, em todos os lugares em que a gente esteve junto. E desejar sempre saúde para o senhor, que é o mais importante. Obrigado por tudo o que senhor fez para o São Paulo", concluiu, já entre aplausos dos companheiros.

Com a camisa amarela (cor que tradicionalmente batiza a chapa de situação nas eleições presidenciais do clube) em mãos, e sob os gritos de "aumenta o bicho, Juvenal", o mandatário primeiramente fez a alegria dos jogadores ao dobrar a bonificação extra, que havia sido abandonada desde o período de crise no Campeonato Brasileiro do ano passado. Em seguida, pediu a palavra para se despedir oficialmente do elenco.

"Nós tivemos convivência saudável, estrelas, jovens vindos da base, figuras importantes que se juntaram a nós. De muito respeito, de muita hierarquia, mas de muita verdade. Aquilo que falamos, cumprimos, sempre. O jogador precisa acreditar no dirigente. Não pode achar o dirigente apenas um torcedor. É difícil? Muito difícil. Poucos sabem fazer isso neste país e no mundo do futebol. Por isso, depois de longa data, saio com alegria imensa", comentou o presidente.

Além da camisa de jogo de Ceni, Juvenal foi surpreendido ao entrar no vestiário e ver todos os atletas e até o técnico Muricy Ramalho usando uma máscara com seu rosto. Acompanhado da esposa, Angelina, o dirigente ficou emocionado.

Juvenal está no poder de forma ininterrupta desde 2006, quando foi novamente eleito, depois de ter comandado o clube pela primeira vez entre 1988 e 1990. Após um primeiro mandato de dois anos, acumulou ainda dois triênios seguidos, o último graças a uma manobra estatutária. Nesse último período à frente do clube, conquistou três títulos brasileiros (2006, 2007 e 2008) e o da Copa Sul-americana de 2012.

Na quarta-feira que vem, Carlos Miguel Aidar, candidato da situação, e Kalil Rocha Abdalla, pela oposição, concorrem ao cargo para comandar o São Paulo pelos próximos três anos. Na eleição prévia, do Conselho Deliberativo, o grupo situacionista fez 49 das 80 vagas renováveis a cada seis anos, o que já garante uma boa vantagem no pleito decisivo, do qual também poderão participar outros 155 conselheiros vitalícios.

Djalma Vassão/Gazeta Press
No duelo contra o CSA-AL, válido pela Copa do Brasil, Rogério homenageou Juvenal com a camisa amarela

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade