Futebol/Copa do Brasil - ( - Atualizado )

Volante Marino registra caso de racismo contra torcedores do Paraná

Do correspondente Luiz Felipe Fagundes Curitiba (PR)

Mais um lamentável caso de racismo pode manchar o futebol brasileiro. Já no final da partida entre Paraná Clube e São Bernardo, que culminou na classificação dos parasitas para a próxima fase da Copa do Brasil, o volante Marino, do time paulista, foi expulso de campo e, na saída, ouviu xingamentos vindos da arquibancada.

Segundo relato do próprio atleta, que prestou queixa na Delegacia Móvel de Atendimento ao Futebol e Eventos, foi chamado de ‘macaco’ e ‘gorila’, o que imediatamente causou uma reação de furor, com o jogador partindo para a discussão no alambrado. Os torcedores correram do local, enquanto Marino desceu chorando para os vestiários.

Divulgação/Site Oficial
O escudo do São Bernardo ganhou as cores preta e branca no combate ao racismo
O presidente do São Bernardo, Luiz Fernando Ferreira, afirmou após o jogo que pretende tomar ações em relação ao caso e cobrou do Paraná Clube providências para encontrar os acusados. “Isso tem que ser banido do futebol. Vamos relatar para a CBF e vamos até as últimas consequências para que haja punição”, disse à rádio Banda B.

Marino afirmou em sua queixa que pode reconhecer os agressores que, se encontrados, devem responder por injúria racial, ou seja, lesão à honra de uma pessoa. A pena máxima é a reclusão por oito anos. Para o Tricolor também poderá caber sanções e, por isso, a diretoria já tenta se movimentar.

Em seu site oficial, o time do ABC Paulista se manifestou sobre o ocorrido em nota oficial, que explica o ocorrido e manifesta a posição do clube.

“O São Bernardo lamenta a atitude da torcida paranista e repudia qualquer tipo de discriminação”

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade