Esporte/Bastidores - ( - Atualizado )

Mostra conta história do esporte e homenageia atletas em 2 mil peças

André Sender São Paulo (SP)

A Caixa Cultural, no Centro de São Paulo, recebe nos próximos dois meses a exposição Esporte em Movimento, que retrata a evolução do esporte mundial e também homenageia alguns dos principais atletas olímpicos brasileiros. A mostra conta com 2 mil itens e foi montada a partir do acervo particular do colecionador Roberto Gesta de Melo, ex-presidente da Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt).

Estão expostos itens importantes da história do esporte mundial com destaque para os relacionados às Olimpíadas. As tochas utilizadas nos revezamentos da chama a partir dos Jogos de Berlim-1936, cartazes promocionais dos eventos, além de moedas e selos especiais, e medalhas são os destaques.

A exposição Esporte em Movimento fica na Caixa Cultural em São Paulo entre os dias 20 de maio e 20 de julho. As visitas são gratuitas e podem ocorrer de terça a domingo das 9h às 19h. A mostra itinerante passa por outras cidades brasileiras e se encerra no Rio de Janeiro às vésperas dos Jogos Olímpicos de 2016.

“Aqui é o único lugar do mundo em que há todas as tochas olímpicas. Nem o Comitê Olímpico Internacional tem”, disse Gesta, gabando-se pela posse da tocha dos Jogos Equestres de 1956. Naquele ano, as Olimpíadas foram realizadas em Melbourne, porém as competições de hipismo não puderam ser realizadas na Austrália por conta da severa lei de quarentena local. A saída foi transferir as provas para Estocolmo, na Suécia, com o nome de Jogos Equestres. “Essa o COI não tem”, divertiu-se.

Outro importante item da parte da coleção de Gesta de Melo exposta em São Paulo é o protótipo da medalha dos Jogos de 1916, que não ocorreram por conta da Primeira Guerra Mundial. Há ainda uma medalha de papel dada aos vencedores das Olimpíadas internas do Campo de Prisioneiros de Gross Born, na Polônia, durante a Segunda Guerra.

A exposição Esporte em Movimento também presta homenagem a importantes atletas brasileiros, que têm suas glórias representadas em uma galeria especial: José Telles da Conceição, Adhemar Ferreira da Silva, Nelson Prudêncio, João do Pulo, Maurren Maggi, Fabiana Murer, Arthur Zanetti e Alan Fonteles.

Neste setor da mostra, medalhas dos atletas brasileiros e também equipamentos de competição estão expostos. Maurren emprestou alguns itens de sua coleção particular especialmente para a exposição, mas manteve em casa o ouro conquistado em Pequim-2008. Já Fabiana Murer deixa há anos com Gesta suas principais medalhas, entre elas a de ouro do Mundial de Daegu-2011. Há ainda, em outra galeria, um capacete de Ayrton Senna.

“Tem bastante coisa minha. Na verdade eu falei: Gesta, só não tira da minha casa a medalha olímpica. As outras pode ficar à vontade. Aí ele foi lá fazer uma cata”, disse Maurren. “A gente tem muitos heróis olímpicos e ter uma coisa que valorize o nosso trabalho para as pessoas verem, mostrar nossa vida e nossas conquistas além de um salto na TV é muito legal”, completou.

A coleção particular de Roberto Gesta de Melo tem cerca de 70 mil itens e é mantida em um prédio construído perto de sua casa em Manaus conhecido como Galeria Olímpica. Presidente da CBAt entre 1987 e 2013, ele montou seu acervo particular por meio de doações e compras de objetos.

Publicidade

Publicidade


PublicidadePublicidade


Publicidade


Publicidade