Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Aidar entende crítica de Muricy a Boschilia e sai em defesa de Cotia

Yan Resende, especial para a GE.Net São Paulo (SP)

Após o clássico deste domingo, o empate em 1 a 1 contra o Corinthians, Muricy Ramalho não escondeu sua irritação com o garoto Gabriel Boschilia, caminhou até o centro do gramado e fez duras críticas ao jogador antes mesmo de se dirigir aos vestiários. Questionado sobre a ação, o treinador desabafou na entrevista coletiva, afirmando que o Centro de Treinamento da Barra Funda não era Cotia – sede das categorias de base do São Paulo. Nesta terça-feira, o presidente Carlos Miguel Aidar tentou amenizar um possível atrito com o comandante por causa da declaração.

Para o mandatário, Muricy Ramalho estava de cabeça quente e não fez críticas diretamente ao centro de treinamento das categorias de base. A intenção do treinador, no entendimento de Aidar, era dar um choque no garoto, que disputou a Copa São Paulo e Futebol Júnior e foi recém-promovido ao profissional. O comandante, por sua vez, se justificou alegando que Boschilia não cumpriu o que foi pedido antes de alteração ser feita no segundo tempo.

“O São Paulo levou o gol por uma falha na cobertura pelo lado, o Muricy colocou o Boschilia. O Osvaldo teria de fazer aquela cobertura e ao colocar o Boschilia deve ter dado a mesma recomendação. Ele ficou nervoso, é do calor da torcida, o São Paulo teve mais presença em campo no jogo. Mas vejo como um desabafo, não há nada contra”, tentou amenizar Carlos Miguel Aidar.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
Carlos Miguel Aidar entendeu a crítica de Muricy Ramalho ao garoto Boschilia no clássico contra o Corinthians
Boschilia entrou no segundo tempo do clássico contra o Corinthians, com a missão de substituir Oswaldo pelo lado esquerdo do tempo. Naquele setor, por causa de uma falha de cobertura do atacante, o São Paulo havia sofrido o primeiro gol do adversário. Ao longo da partida, porém, o garoto foi flagrado pelo treinador na ponta direita em alguns momentos, o que deixou Muricy Ramalho bastante irritado.

Defensor do Centro de Treinamento de Cotia, um dos principais legados de seu antecessor Juvenal Juvêncio, Carlos Miguel Aidar disse que local abriga o futuro do time do Morumbi, e não pode ser criticado desta forma. De acordo com o mandatário, a política do clube é sempre valorizar a base, e contratações como a de Kardec, um jogador já renomado, devem ser vistas como exceção.

“Cotia é a base do São Paulo, temos muitos jogadores de Cotia, é o futuro do São Paulo. Essa contratação do Kardec é exceção. Nossa ideia é valorizar a base sempre. Não há nada que desmereça ou invalide o trabalho da base, ela será prestigiada como fonte de atletas ao São Paulo”, completou o presidente tricolor.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade