Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Antes de apresentação, Kardec faz seu primeiro treino no São Paulo

São Paulo (SP)

A apresentação de Alan Kardec será apenas na manhã desta terça-feira, mas o atacante já vestiu a camisa do São Paulo e realizou o seu primeiro treino no CT da Barra Funda nesta segunda-feira. O jogador fez apenas uma atividade física isolada, já que o restante do elenco está de folga após o clássico deste domingo, o empate em 1 a 1 com o Corinthians.

Em sua conta oficial no Instagram, o clube do Morumbi colocou a foto do jogador com a camisa tricolor e brincou com uma das frases marcantes do treinador Muricy Ramalho. “A apresentação é amanhã, mas o Alan Kardec já chegou trabalhando #AquiÉTrabalhoMeuFilho”.

Com boas condições físicas, já que vinha atuando com a camisa do Palmeiras neste início de temporada, Alan Kardec não deve demorar a trabalhar com bola em seu novo clube. Nesta terça-feira, dia da apresentação, o jogador terá a oportunidade de conhecer os seus companheiros, quando o elenco se reapresentará após o empate no clássico.

Reprodução/Instagram
Alan Kardec realizou o seu primeiro treino com a camisa do São Paulo na manhã desta segunda-feira
A diretoria do São Paulo agora espera buscar a liberação do jogador junto a Fifa para utilizá-lo neste primeiro semestre. De acordo com o regulamento de competições, Alan Kardec não poderia entrar em campo porque se trata de uma transação internacional – o atleta pertencia ao Benfica. O Tricolor alega, no entanto, que seria uma negociação nacional por estar atuando no Palmeiras.

A intenção são-paulina é contar com o jogador pelo menos nestas rodadas do Campeonato Brasileiro que antecedem a paralisação para a disputa da Copa do Mundo. Alan Kardec, porém, não poderia atuar na Copa do Brasil, pois defendeu o Palmeiras ainda na primeira fase da competição.

A negociação do jogador, aliás, rendeu uma troca de farpas entre os dirigentes dos dois clubes rivais. Antes de ‘pular o muro’ - os CTs de Palmeiras e São Paulo ficam lado a lado - Alan Kardec viu Paulo Nobre dizer que a postura tricolor foi antiética ao longo da contratação. Carlos Miguel Aidar, mandatário do time do Morumbi, respondeu afirmando que o choro seria livre.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade