Futebol/Campeonato Brasileiro - ( - Atualizado )

Após goleada, Muricy se preocupa com cansaço para escalar o São Paulo

Vítor Dalseno, especial para a GE.Net São Paulo (SP)

A questão física é a principal preocupação de Muricy Ramalho para a partida contra o Grêmio, neste sábado, às 21 horas (de Brasília), no Morumbi, pela sétima rodada do Campeonato Brasileiro. Nesta sexta-feira, o treinador disse, durante a entrevista coletiva concedida após o treino, que a escalação da equipe será definida com base nos exames que apontam o risco de lesão a que cada jogador está sujeito.

“Nossa recuperação está em nível excelente, porque o único jogador machucado era o Douglas, que já está liberado. As pessoas que trabalham nisso precisam ter cuidado para não arrebentar os jogadores. Jogar quarta e domingo ou quarta e sábado não é novidade”, disse o treinador.

Apesar de não ter dado indícios sobre o time, o técnico tricolor espera uma postura diferente da que a equipe adotou no segundo tempo contra o Fluminense.

“O time mudou demais de um tempo para outro. A conclusão a que a gente chegou é que deixamos o Fluminense jogar. Nos outros jogos, nossa posse de bola sempre foi maior que a do adversário. Nesse, o primeiro tempo foi bom, mas no segundo a posse de bola caiu demais. Nós os deixamos ficar com a bola, não pressionamos a saída como na primeira etapa”, afirmou.

Na opinião do treinador, os jogadores de defesa não podem ser os únicos responsabilizados pela goleada sofrida. “A defesa hoje começa lá no atacante. No primeiro tempo, os dois zagueiros deles quebraram várias vezes a bola, que caiu direto no Rogério. Todo mundo faz alguma coisa com ou sem a bola. Não é questão de defesa, mas de o time todo ter marcado bem no primeiro tempo, e no segundo ter deixado os zagueiros deles jogarem”.

Garantido por Carlos Miguel Aidar – que pretende mantê-lo como treinador enquanto for presidente do São Paulo -, Muricy Ramalho voltou a negar abatimento pela derrota contra o Flu.

“Estou no futebol há não sei quantos anos. Não me empolgo com nada. Nem quando ganha está tudo bem, nem quando perde está tudo errado. A gente tem que estar consciente do trabalho que está fazendo”, disse o treinador, cujo contrato com o Tricolor vence em dezembro de 2015.

Publicidade

Publicidade


PublicidadePublicidade


Publicidade


Publicidade