Futebol/Campeonato Brasileiro - ( )

Com sequência no gol, Fábio sonha repetir 10% da carreira de Marcos

William Correia São Paulo (SP)

Ao superar Bruno e ficar com a vaga deixada por Fernando Prass, Fábio tem sua primeira sequência no gol do Palmeiras tendo como espelho o seu maior ídolo. Fã de Marcos, o goleiro, que completou 24 anos no domingo, se contenta mesmo com parte de todas as conquistas do ex-jogador que é considerado um santo por torcedores.

“O Marcos é uma pessoa fantástica, tanto dentro quanto fora de campo. Se eu chegar a 10% do que ele fez, já ficarei muito contente”, disse Fábio, que conta ainda não ser assediado na rua por ninguém além de vizinhos, mas que tem sido importante na busca do time por se reestruturar.

Bruno substituiu Prass no jogo em que o titular lesionou o cotovelo direito e acabou levando três gols na derrota de virada por 4 a 2 para o Flamengo. No dia seguinte, foi confirmada uma cirurgia em Prass e, desde então, Fábio iniciou todos os três jogos seguintes, aparecendo como destaque.

Fábio fez milagres mesmo na derrota por 2 a 1 para o Sampaio Corrêa, que gerou a demissão de Gilson Kleina, interveio bem nas poucas vezes em que foi exigido na vitória sobre o Goiás, no sábado, e se tornou fundamental com defesas importantes no triunfo por 3 a 0 diante do Sampaio Corrêa, nessa quarta-feira.

“Desde os 16 anos, tenho um vínculo com o elenco profissional e isso é importante, só tenho a crescer. É bom saber da história do clube de revelar goleiros e, desde criança, sonho vestir a camisa do Palmeiras. Venho trilhando um caminho com o objetivo de fazer história em um clube de tradição como o Palmeiras”, discursou.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Goleiro de 24 anos, que superou Bruno na disputa pela vaga deixada por Prass, tem Marcos como maior ídolo
A cobrança na posição ficou clara nas críticas que o goleiro recebeu na quarta-feira por demorar para sair do gol, demonstrando insegurança em alguns lances. Algo que Fábio admite ainda precisar de evolução, mas que, ao mesmo tempo, conta que pode melhorar graças à confiança que recebe da comissão técnica e dos colegas, além da sequência que estabelecerá até Prass voltar, em agosto.

“O goleiro do Palmeiras tem que estar preparado e fico feliz por saber que pude ajudar o time, mas tudo é ritmo de jogo”, indicou. “Com elogios ou críticas, tenho que ser bem sereno e focado. Em um jogo você pode ir muito bem e, em outro, pode não ser exigido. É necessário saber assimilar isso”, completou, escolhendo as palavras para mostrar maturidade.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade