Futebol/Campeonato Brasileiro - ( )

Para motivar, Wendel lembra que venceu Derby em 2009 após maratona

William Correia Campinas (SP)

A viagem de seis horas de ônibus para enfrentar o Botafogo nesta quarta-feira não é a primeira maratona que Wendel encara no Palmeiras. Em 2009, o lateral direito foi titular do time que venceu o Corinthians por 3 a 0 após fazer o mesmo trajeto rodoviário, e usa a lembrança como motivação.

“Contra o Corinthians, em 2009, teve atraso no aeroporto, pegamos ônibus, encaramos seis horas de viagem e chegamos 3 da manhã em Prudente, a mesma cidade. Ganhamos com três gols do Obina”, recordou o camisa 13 em entrevista à Gazeta Esportiva. “Essas coisas nos fortalecem. É assim que temos que pensar.”

Para aquele clássico, o Corinthians saiu mais cedo de São Paulo e encontrou condições para voar até Presidente Prudente. O mesmo não ocorreu com o Verdão, que ficou cerca de duas horas esperando uma alternativa aérea no aeroporto de Guarulhos até decidir embarcar de ônibus. O cansaço não foi problema em campo, como mostrou o triunfo.

Para enfrentar o Botafogo nesta quarta-feira, o Palmeiras não conseguiu voltar de Chapecó por conta da chuva na cidade catarinense na segunda-feira, só fez musculação em academia local e encarou na terça-feira viagem de avião até Campinas antes de partir de ônibus até o município da partida diante dos cariocas.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Em 2009, Wendel foi de ônibus a Prudente e ergueu a Taça Osvaldo Brandão por ter vencido o Corinthians
Wendel ainda tem na carreira outro episódio com maratona de viagens. Em 2012, por conta de acidente envolvendo um avião cargueiro na pista do Aeroporto de Viracopos, em Campinas, a Ponte Preta, que contava com o lateral, só pôde desembarcar no Rio de Janeiro para enfrentar o Fluminense cerca de quatro horas antes do jogo.

O time campineiro perdeu por 2 a 1 para a equipe que seria campeã brasileira naquele ano, mas Wendel aponta superação. “Viajamos no dia do jogo e só ficou 2 a 1 para o Fluminense porque expulsaram dois jogadores nossos e roubaram um pênalti. Se o juiz não errasse, teria sido empate ou vitória”, relembrou.

Publicidade

Publicidade


PublicidadePublicidade


Publicidade


Publicidade