Futebol - ( - Atualizado )

Corinthians programa dois treinos em Itaquera por vantagem na estreia

Marcos Guedes São Paulo (SP)

A confirmação depende da obra, ainda em andamento, mas a comissão técnica do Corinthians programou dois treinamentos para o estádio de Itaquera nesta semana. A ideia é aumentar a familiaridade com o campo na sexta e no sábado, antes da primeira partida oficial no local, no domingo, contra o Figueirense.

“Vamos fazer esses treinos lá se tudo se encaminhar bem. Se não é o ideal, vai ser pior nesse aspecto para o adversário, que não vai treinar lá”, afirmou o treinador Mano Menezes, que gostaria de ter trabalhado na arena com frequência maior. Até hoje, só comandou uma atividade no palco de abertura da Copa do Mundo.

“É relevante. O fator local significa muito no futebol brasileiro. O futebol talvez seja a modalidade em que ele mais significa. Se puder jogar no seu estádio, na sua casa, de forma contínua, você vai ter vantagens que só essa condição lhe dá”, acrescentou o gaúcho.

Divulgação/Agência Corinthians
Os torcedores ficam mais perto do campo em Itaquera do que no Pacaembu (foto: Rodrigo Coca - 10/5/14)
Depois de enfrentar o Figueirense, o Corinthians vai entregar o estádio da zona leste de São Paulo à Fifa. Só receberá de volta após a Copa do Mundo, o que tornará mais lento o processo de ajuste imaginado por Mano – com o Pacaembu também entregue para treinos do Mundial, o time receberá Atlético-PR e Cruzeiro no Canindé.

“Não estamos falando de um jogo só. Estamos falando de um período de adaptação. Para o torcedor também, porque a realidade é diferente. Não é mais o Pacaembu. As distâncias são diferentes, de posicionamento da arquibancada, das cadeiras. O gramado é um pouco diferente, muda a velocidade do jogo”, comentou.

O primeiro ingrediente necessário para o sucesso, segundo o técnico, já existe. “O torcedor do Corinthians sempre gostou de ver uma equipe aguerrida, que luta pelo resultado durante 90 minutos. Isso a gente já tem para oferecer. Temos que superar as dificuldades com qualidade dos jogadores e com comportamento.”

Se esse ingrediente não aparecer, a cobrança será constante. E, com o público bem mais próximo do campo no sonhado estádio de Itaquera do que fica no Pacaembu, Mano estará sujeito a ficar com as orelhas fervendo caso não consiga fazer os atletas dar frequentes carrinhos.

“É uma situação diferente, não tenha dúvida. É muito parecido com o que se vive na Europa. Você se senta no banco, e atrás está um torcedor com o qual pode conversar. Vamos esperar que os nossos torcedores sejam tão educados quanto os deles”, sonhou o gaúcho.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade