Futebol/Campeonato Brasileiro - ( )

Corinthians volta reformulado ao estádio onde iniciou a temporada

Helder Júnior São Paulo (SP)

O Corinthians que voltará ao Canindé na noite desta quarta-feira é bastante diferente daquele que estreou em 2014 no mesmo estádio da Portuguesa, com uma vitória por 2 a 1 sobre os donos da casa. O local foi o escolhido para receber o reformulado time de Mano Menezes no período em que a arena de Itaquera e o Pacaembu estarão cedidos à Fifa para a realização da Copa do Mundo.

São poucos os jogadores do Corinthians de hoje, no entanto, que guardam o resultado positivo sobre a Portuguesa como uma boa recordação do Canindé. Entre os que estiveram em campo naquele dia 19 de janeiro, seis deixaram o clube antes mesmo da inauguração do estádio de Itaquera – o lateral direito Edenílson, o zagueiro Paulo André, os meias Rodriguinho e Douglas e os atacantes Emerson e Alexandre Pato.

Incumbido de suceder o aposentado Alessandro, Edenílson se transferiu para a Udinese, da Itália – e quase retornou por empréstimo quando ficou impedido de jogar por um entrave burocrático. A sua saída do Corinthians abriu espaço para Fagner atuar. Na lateral esquerda da partida com a Portuguesa, o time de Mano também tinha outra alteração em relação ao atual. Uendel era o titular em função da série de lesões de Fábio Santos.

Fernando Dantas/Gazeta Press
De volta ao Canindé, Corinthians tinha um time muito diferente do atual quando estreou em 2014
Cássio foi mais um que não jogou no princípio de 2014 por causa de contusão. Em sua vaga, Walter sofreu um gol do centroavante Henrique (hoje no Palmeiras) no confronto com a Portuguesa. Pouco à frente dele, o zagueiro Paulo André ainda era titular absoluto e nem se imaginava no Shanghai Shenhua, da China. Cleber, vindo a Ponte Preta, assumiria o posto ao lado de Gil.

A armação do Corinthians também mudou bastante em cinco meses. Contra a Portuguesa, Rodriguinho ainda era uma aposta de Mano – foi mal na sequência do Campeonato Paulista e acabou negociado com o Grêmio. Douglas, que entrou em seu lugar na estreia da temporada, foi para o Vasco. Danilo permaneceu, porém do time titular seguiu para a reserva.

O principal jogador da criação do Corinthians passou a ser Jadson, envolvido na polêmica troca com o São Paulo por Pato. Algo impensável em 19 de janeiro. Já Renato Augusto, em processo de fortalecimento físico na época, ainda convive com o medo de se machucar, mas virou titular na derrota por 1 a 0 de domingo para o Figueirense, em Itaquera.

Pato (entrou no decorrer do jogo com a Portuguesa) não foi o único atacante a ir embora do Corinthians de Mano. Emerson virou desafeto do treinador e saiu para o Botafogo. Já Paolo Guerrero e Romarinho, autor de um gol na vitória do Canindé (Guilherme completou o placar), continuam como alguns dos prediletos do treinador para o setor – com a companhia de Luciano agora.

Tantas mudanças foram consequências da reformulação proposta por Mano Menezes para vencer a crise – com direito até a invasão de torcedores organizados ao CT Joaquim Grava – enfrentada pelo Corinthians no Campeonato Paulista. O treinador tratou a missão como um fardo, disse ter sido corajoso para promovê-la e ressalvou que só não o fez anteriormente em respeito aos campeões mundiais de 2012.

As alterações, contudo, também aproximaram o Corinthians de Mano do Corinthians de Tite – Ralf e Guerrero chegaram a confundir os nomes dos treinadores recentemente. O sucessor do comandante mais vitorioso da história do clube passou a se preocupar demais em ajustar a sua defesa. No começo do ano, a sua grande tarefa era aumentar o poderio ofensivo da equipe que abusou dos empates sem gols em 2013.

Na vitória sobre a Portuguesa, a própria Gazeta Esportiva ressaltou a mudança de postura corintiana: “O primeiro jogo do Corinthians em 2014 foi bem diferente do que a maioria dos disputados em 2013: houve gols”. Nesta quarta-feira, o objetivo da reformulada equipe de Mano Menezes – que já ganhou o meio-campista Elias para o segundo semestre e quer mais reforços para mudar o elenco ainda mais – é dar novos sinais de esperanças aos torcedores que também voltarem ao Canindé.

Publicidade

Publicidade


PublicidadePublicidade


Publicidade


Publicidade