Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Debilitado por causa da gastrite, Kardec quer recuperar força muscular

Yan Resende, especial para a GE.Net São Paulo (SP)

Nos últimos dias de Palmeiras, Alan Kardec pouco conseguiu treinar. O atacante foi afastado por causa de uma gastrite, que, segundo o jogador, foi motivada pelo desgaste emocional causada pela negociação com o clube alviverde. Com os impasses resolvidos, o atacante, que foi apresentado pelo São Paulo nesta terça-feira, revelou que teve dificuldades para comer diante da indefinição de seu futuro.

“Quando eu deitava a cabeça no travesseiro, tentava dormir, com a esperança de que algo se resolvesse, mas não estava resolvido. Chegava em casa, minha esposa perguntava se eu não ia me alimentar, mas eu não conseguia comer. Perdi quatro quilos, e isso me atrapalha muito”, contou o atacante são-paulino, que aproveitou para agradecer alguns profissionais do Palmeiras.

“Estava fazendo um trabalho de nutrição, aprimorando a parte física, para manter o peso. Eles me ajudaram muito, com trabalhos específicos, mas sempre chegava com o peso muito abaixo. O médico falou comigo, disse que talvez seria emocional”, acrescentou o jogador, sem esconder a gratidão com seus ex-companheiros de clube no Palestra Itália.

Em sua chegada ao Tricolor do Morumbi, Alan Kardec não escondeu sua preocupação com a parte física. Nesta segunda-feira, em seu primeiro dia no CT da Barra Funda, o jogador fez apenas atividades no Reffis. Já nesta terça, quando teve o primeiro contato com o restante do elenco, aqueceu com o grupo no gramado, mas não demorou a voltar para academia.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
Em sua chegada ao Tricolor do Morumbi, Alan Kardec não escondeu sua preocupação com a parte física
Ao falar sobre o respeito que carrega pela torcida palmeirense, o jogador foi questionado sobre a reação caso balançasse as redes contra o time alviverde. O atacante seguiu o padrão de quando também recebeu essa pergunta antes de um jogo contra o Santos, ainda pelo Palmeiras: as circunstâncias do duelo vão determinar a comemoração do atleta.

“No Santos eu também fui questionado e disse que depende da circunstância da partida. Hoje defendo o São Paulo, fica difícil falar, pois tenho que respeitar o torcedor. Se for um gol de vitória, acho que não terá problema em comemorar. Sempre respeitei o torcedor palmeirense, em momento algum desrespeitei. Depende se é um gol de vitória ou um gol de empate”, explicou o jogador.

Ainda sobre o seu antigo clube, Alan Kardec não mostrou qualquer tipo de ressentimento por causa da proposta feita com relação a produtividade. “Volto a dizer: isso, em momento algum, foi empecilho. Nós concordamos com o que foi proposto, mas voltaram atrás. Temos que pensar na frente, já faz parte do passado. Estou extremamente feliz de pensar só no São Paulo”.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade