Futebol/Campeonato Brasileiro - ( - Atualizado )

Elias brinca sobre "chegadinha" que corintianos poderiam dar em Pato

Marcos Guedes São Paulo (SP)

Elias concorda com a cláusula contratual que impede Alexandre Pato de enfrentar o Corinthians. O volante recordou que o clube do Parque São Jorge paga metade do salário do atacante, emprestado ao São Paulo, e brincou sobre o comportamento que teriam os antigos companheiros do agora tricolor no clássico de domingo.

“Eu não teria problema nenhum porque não estava aqui quando ele estava. Mas, se eu tivesse, com certeza, daria uma chegadinha nele”, sorriu o camisa 7 corintiano, que herdou esse uniforme de Pato e também não poderá atuar em Barueri – sua situação só será regularizada em julho.

Assim, Elias não poderá colocar à prova seu bom retrospecto contra o São Paulo. Em sua primeira passagem pelo Corinthians, o meio-campista não perdeu nenhum Majestoso, com seis vitórias, um empate e cinco gols marcados. Rogério Ceni é uma de suas vítimas favoritas.

“Infelizmente para ele, eu nunca perdi para o São Paulo jogando aqui. Não digo que foi só sorte, porque a competência anda lado a lado com a sorte. Estou voltando agora, mas fui muito feliz e muito competente contra eles jogando aqui”, afirmou, ansioso pelo clássico do segundo turno. “Espero que eu esteja bem até lá para ajudar.”

Djalma Vassão/Gazeta Press
Elias não poderá, na partida de domingo, colocar à prova seu bom retrospecto contra o São Paulo
Se enfrentar o rival tricolor “é sempre especial” para Elias, ele só poderá torcer no próximo final de semana. O mesmo se aplica a Jadson, que deixou o São Paulo justamente na troca com Alexandre Pato e também está impedido contratualmente de atuar no Majestoso.

“Contrato é feito para ser cumprido. Se tem aquela cláusula, é preciso cumprir. O Jadson é um excelente jogador, ajudou muito o Corinthians desde a sua chegada, mas nosso time não tem só 11 jogadores. Temos o retorno do Renato Augusto, o Danilo está entrando bem. Temos bons jogadores para manter o nível”, concluiu Elias.

"Sem medo"
O presidente do Corinthians, Mário Gobbi, também foi questionado sobre o impedimento de Pato e Jadson. Apesar da pressão para liberar a escalação do atacante - e, em troca, poder utilizar o meio-campista -, o dirigente explicou seus motivos à Rádio Globo e negou temor de seu ex-jogador no clássico.

"Foi feita uma transação e foi feito um contrato que tem cláusulas. Elas têm de ser cumpridas, apena isso. Se tem uma coisa que o Corinthians não tem, é medo", bradou o presidente, que diz torcer pelo sucesso de Pato para recuperar parte dos R$ 40 milhões nele investidos.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade