Futebol/Campeonato Brasileiro - ( - Atualizado )

Em alta, Petros revê o jogo, vai à igreja e lamenta rodízio de carro

Helder Júnior São Paulo (SP)

Petros ainda estava com olheiras na tarde desta quinta-feira, dia de seu aniversário de 25 anos. Não porque tenha festejado a data até mais tarde. Na noite de quarta-feira, ele atuou no Canindé – e foi o jogador mais elogiado pelo técnico Mano Menezes – na vitória por 1 a 0 sobre o Cruzeiro. Chegou à sua casa e decidiu rever a partida. Pela manhã, visitou a igreja para agradecer pelo bom momento profissional. E permaneceu no CT Joaquim Grava de tarde até anoitecer.

“Não deu tempo de comemorar nada!”, comentou Petros, muito bem-humorado. “Já assisti ao jogo novamente para ver os meus erros e acertos e decidi ir à igreja para rezar, agradecer. Agora, vou ter que ficar no CT até as 20 horas porque é o dia do rodízio do meu carro. Então, podem preparar um docinho para eu esperar”, brincou o aniversariante.

“Com 25 anos e carinha de 18”, segundo ele próprio, Petros tem motivos maiores para celebrar do que a idade nova. O jogador vindo do Penapolense conquistou rapidamente o seu espaço no time titular do técnico Mano Menezes e já passou até a ser comparado com Jorge Henrique, atacante que teve uma passagem destacada pelo Corinthians e agora defende o Internacional.

Divulgação/Agência Corinthians
Petros lamentou uma conclusão errada depois de desarmar Bruno Rodrigo (foto: Daniel Augusto Jr.)
“Fico muito feliz com as declarações do Mano. O Jorge Henrique é um cara que fez história aqui, dando combate e saindo rapidamente para os contra-ataques”, lembrou Petros, disposto a seguir o mesmo caminho. “Na vida, a gente precisa se adaptar. Tenho que dar o meu jeito de me adequar logo ao estilo de jogo do Mano. Com toda a humildade, vou aprimorar o que for necessário.”

Para evoluir, o meio-campista analisa cuidadosamente as suas atuações. Contra o Cruzeiro, por exemplo, ele se cobrou por ter errado uma conclusão. “Consegui roubar a bola do Bruno Rodrigo e, se tivesse chutado mais no contrapé do Fábio, teria feito o gol”, lamentou, apesar de fazer um balanço bastante positivo do seu desempenho. “Os desarmes me deixaram muito satisfeitos. O Everton Ribeiro é um cara com qualidade técnica diferenciada, e roubei todas as bolas dele nos confrontos mano a mano”, contabilizou.

Petros sabe que precisa desarmar a si mesmo da empolgação com o bom início de trajetória no Corinthians. Sua estratégia para sorrir também nos dias sem aniversário é continuar a rever as partidas, a rezar e a trabalhar bastante – mesmo quando não estiver preso no CT Joaquim Grava pelo rodízio de automóveis da cidade de São Paulo.

“A cobrança é muito grande. Se o jogador se acomodar, ele já não servirá mais no próximo domingo, será criticado. Tenho que saber ponderar as coisas muito bem, de uma forma tranquila e honesta”, concluiu Petros.

Publicidade

Publicidade


PublicidadePublicidade


Publicidade


Publicidade