Futebol/Campeonato Brasileiro - ( )

Ex-colega, Marcos elogia Fábio e torce como se fosse seu filho

Tossiro Neto São Paulo (SP)

As atuações de destaque do goleiro Fábio com a camisa do Palmeiras não surpreendem Marcos, para muitos o principal nome da posição na história do clube. Os dois foram companheiros, de fato, por um período não muito longo, mas suficiente para que o agora ex-jogador percebesse no garoto (de hoje 24 anos) uma grande promessa.

Fábio foi sendo incorporado à Academia de Futebol aos poucos, em 2010, pelo técnico Luiz Felipe Scolari, depois de passar por todas a categorias inferiores. "O Felipão já falava dele anos atrás, lembra? 'Tem um goleiro bom na base'", diz Marcos, que se aposentou antes do início da temporada 2012, na qual Fábio, passada a fase de experiência, foi oficialmente promovido.

Felipão não foi o único a notar seu talento. Gilson Kleina, recém-demitido, deu a Fábio suas primeiras chances como profissional, nas derrotas para Paysandu e Chapecoense, pela Série B do Campeonato Brasileiro, no ano passado. Apesar dos resultados negativos do time reserva, seu desempenho não foi questionado, assim como no revés para o Sampaio Corrêa, na Copa do Brasil deste ano, quando substituía o lesionado Fernando Prass. Tanto é que continua como titular.

"Conheço o trabalho do Fábio já tem um bom tempo. É um cara que tem todas as condições de seguir com a camisa do Palmeiras, é criação da base. Fico feliz e orgulhoso, porque tive o prazer de trabalhar com ele. Quando vejo alguém que saiu da base e está jogando no time de cima, fico orgulhoso e torcendo como se fosse meu filho que estivesse em campo", elogiou Marcos.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Em 2011, Fábio assiste a treinamento de Marcos com o antigo preparador de goleiros do clube, Carlos Pracidelli
Além de Fábio, o elenco palmeirense conta com Bruno (goleiro de 29 anos e campeão da Copa do Brasil de 2012, mas que coleciona falhas em momentos decisivos e não inspira confiança na torcida), Vinícius (de 20 anos, também formado na base) e Deola (de 31 anos, que treina com o grupo, mas pode ser emprestado para outro clube). Eleito por Kleina o substituto de Prass, o camisa 47 segue à frente da meta sob comando de Alberto Valentim, técnico interino e que dará lugar para o recém-contratado argentino Ricardo Gareca. Após a derrota no primeiro jogo, está invicto há três.

Se dependesse de Marcos, talvez fosse Fábio o titular até mesmo quando Prass se recuperar da cirurgia no cotovelo direito. "Torço para que ele possa fazer um grande trabalho e permanecer no gol do Palmeiras por muito tempo", avalia o ídolo e "quase pai", que volta a torcer pela cria às 19h30 (de Brasília) desta quinta-feira, quando ela entra em ação diante do Figueirense, em Araraquara.

Publicidade

Publicidade


PublicidadePublicidade


Publicidade


Publicidade