Futebol/Copa 2014 - ( - Atualizado )

Felipão repete fórmula de grupo brincalhão com quatro líderes

Tossiro Neto Teresópolis (RJ)

Muito do que fez em toda a carreira e principalmente em 2002 para conquistar o quinto título mundial para o Brasil, Luiz Felipe Scolari repete para, em 2014, tentar o hexacampeonato. Uma das fórmulas de sucesso do treinador, na Coreia do Sul e no Japão, foi formar um grupo de jogadores que conseguia ter responsabilidade - sob a liderança de um quarteto - e, ao mesmo tempo, se divertir.

Para a Copa do Mundo deste ano, a ser disputada em casa, os líderes foram revelados publicamente antes mesmo do início da preparação na Granja Comary. São eles o zagueiro Thiago Silva (capitão da equipe), o goleiro Júlio César (atleta mais experiente entre os convocados), o atacante Fred (presente na edição de 2006 do torneio) e o zagueiro David Luiz.

"É a filosofia de trabalho dele", explica Júlio César. "Ele escolhe quatro jogadores para serem líderes, mas temos outros líderes também. Isso é mais para as reuniões em que se discutem coisas internas. Os quatro são chamados para isso. Mas o grupo todo é experiente. Alguns jogadores são mais jovens, mas consagrados, com experiência internacional, e a opinião de todos é sempre válida. Todos têm liberdade para falar, para se expressar".

Fernando Dantas/Gazeta Press
Goleiro Júlio César é um dos quatro líderes da Seleção Brasileira, ao lado de Thiago Silva, David Luiz e Fred
Não se trata de uma novidade, mas sim de uma fórmula batida de Felipão. O treinador fez isso também em outras conquistas importantes. Na Copa de Libertadores de 1999, seus homens de confiança no Palmeiras eram os zagueiros Roque Júnior e Júnior Baiano, o volante César Sampaio e o atacante Evair. Onze anos mais tarde, ao voltar para o clube, o quarteto foi composto pelo goleiro Marcos, o zagueiro Danilo e os volantes Marcos Assunção e Edinho.

Na preparação para a Copa de 2014, o primeiro assunto tratado pelos líderes da Seleção, em reunião realizada na segunda-feira à noite, foi quanto à divisão da premiação de 35 milhões de dólares (cerca de R$ 78 milhões) em caso de título. Na programação divulgada pela Confederação Brasileira de Futebol, há pelo menos mais oito encontros até 12 de junho, data de estreia na competição, contra a Croácia, em Itaquera. Esses encontros, porém, terão participação até mesmo da ala brincalhona.

Ala da qual Fred também faz parte, juntamente com o lateral esquerdo Marcelo. Ala que Marcos integrava em 2002, na conquista do penta. "Nossa seleção também tinha um pessoal assim - o Vampeta e eu gostávamos mais da resenha -, que jogava muito, mas que tinha que representar dentro de campo também. Tem que saber a hora de brincar e a hora de ser sério. Jogador assim, principalmente quando fica muito tempo concentrado, é sempre muito importante", opinou o ex-goleiro, uma das provas do sucesso da fórmula de Felipão.

Publicidade

Publicidade


PublicidadePublicidade


Publicidade


Publicidade