Futebol/Bastidores - ( )

Gareca chega ao Brasil para aprender e diz não trazer nada de novo

Yan Resende, especial para a GE.Net São Paulo (SP)

Se o torcedor do Palmeiras se animou com a chegada de um comandante estrangeiro, Ricardo Gareca mediu suas palavras ao projetar seu trabalho à frente do Alviverde. No embalo do ótimo desempenho de Diego Simeone no comando do Atlético de Madri, que disputa a final da Liga dos Campeões neste sábado, o argentino foi questionado sobre o diferencial dos treinadores de seu país, mas foi bastante humilde, demonstrando admiração aos companheiros de profissão no Brasil.

“Nós, treinadores argentinos, não temos nenhum segredo. Gosto do futebol brasileiro e admiro Felipão, Muricy Ramalho, Luxemburgo, Tite. Não trago nada novo. Venho querendo triunfar em um futebol tão importante e em uma equipe tão importante como o Palmeiras. Uma equipe grande no Brasil, o maior vencedor nacional”, lembrou o novo comandante alviverde, mostrando respeito à história do clube do Palestra Itália.

Ricardo Gareca utilizou justamente o passado do Palmeiras para falar sobre o que pretende fazer na equipe de Palestra Itália. De acordo com o treinador, é preciso ter respeito ao futebol brasileiro e, principalmente, ao Verdão. Sem esconder a alegria por trabalhar no país, o argentino garante que chega ao Brasil para aprender.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Ciente da grandeza do Palmeiras, Gareca promete se adapatar ao clube para "apreender" no futebol brasileiro
“Vamos nos adaptar ao Palmeiras e não fazer com que o Palmeiras se adapte a nós. A história do Palmeiras é maior do que a minha, então vou tratar de me adaptar ao Palmeiras. Para nós, o futebol brasileiro está acima, muito acima, eu venho aprender no futebol brasileiro. Simplesmente me agrada ganhar, e espero conseguir”, projetou Gareca.

Apesar de todo respeito demonstrado pelo Brasil, o coração argentino bate mais forte ao falar sobre a Copa do Mundo. Sem tentar fazer média, o treinador admite que torcerá pela seleção de seu país, mas vê a equipe de Luiz Felipe Scolari com obrigação de levar o hexacampeonato.

“Sou argentino e torço para a Argentina vencer, mas o Brasil tem a obrigação de ganhar por ser o time da casa. A expectativa é grande da torcida e da imprensa, mas eu torço para a Argentina vencer”, completou o novo comandante alviverde, que vai esperar justamente a Copa do Mundo para assumir o cargo no Palestra Itália.

Publicidade

Publicidade


PublicidadePublicidade


Publicidade


Publicidade