Futebol/Campeonato Brasileiro - ( - Atualizado )

Gol sem querer evita derrota do São Paulo para Coritiba no Pacaembu

Tossiro Neto São Paulo (SP)

Um golaço (sem querer) de Ademilson evitou que o São Paulo sofresse, neste sábado, no Pacaembu, sua primeira derrota no Campeonato Brasileiro. Depois de a vantagem criada pelo ex-corintiano Alexandre Pato ter sido superada pelo Coritiba, com gols de Robinho e Chico, o jovem atacante ao menos garantiu o empate encobrindo o goleiro Vanderlei, quando, na verdade, havia tentado dominar a bola na entrada da área, após ter recebido passe de Paulo Henrique Ganso, que, assim como ele, havia saído da reserva.

A partida foi a primeira de uma série de três em que o São Paulo terá o mando de campo nos próximos dias, mas não jogará no Morumbi, pois sua diretoria alugou o estádio para a realização de dois shows. Na sexta-feira, o técnico Muricy Ramalho admitiu que ficar longe de casa poderia ser prejudicial para a equipe, que tem boas estatísticas quando joga no Morumbi.

Antes de voltar suas atenções novamente para o campeonato nacional - e enfrentar o Corinthians, em Barueri -, o São Paulo (agora com cinco pontos no Brasileiro) retorna ao Pacaembu na quarta-feira, diante do CRB, para tentar avançar de fase na Copa do Brasil, depois de ter sido derrotado de virada em Maceió. O time paranaense, por sua vez, segue sem vencer e só joga no domingo, quando recebe o Sport, no Couto Pereira, somando três pontos ao todo.

Rubens Chiri/www.saopaulofc.net
Ademilson marcou um belo gol encobrindo o goleiro Vanderlei, quando, na verdade, havia tentado dominar a bola
Neste sábado, insatisfeito com o desempenho de sua equipe no empate com o Cruzeiro, o técnico são-paulino, Muricy Ramalho, deixou Boschilia e Paulo Henrique Ganso, os dois meias que vinha atuando, no banco de reservas. O garoto de 18 anos deu lugar a Osvaldo, atacante de mais profundidade, ao passo que o camisa 10 foi sacado para a entrada do colombiano Pabon, que não era titular desde a queda no Estadual.

Com o quarteto ofensivo orientado para explorar bastante as laterais, o São Paulo ditou o ritmo de jogo nos primeiros minutos, mas, sem muito sucesso pelo chão, levou mais perigo nas jogadas aéreas. Aos 13 minuntos, após cobrança de falta de Pabon pela direita, a bola ficou livre na pequena área até a defesa afastar de lá. O Coritiba, bem fechado, respondeu seis minutos mais tarde, quando Robinho limpou a marcação e encontrou Jajá dentro da área, mas o atacante, cara a cara com o goleiro Rogério Ceni, chutou para fora.

Não foi preciso muito mais tempo para notar que o técnico Celso Roth havia definido uma marcação individual nos quatro homens de frente da equipe tricolor, em especial para Pato, marcado de perto pelo volante Chico, e para Luis Fabiano, com o zagueiro Luccas Claro quase sempre na sua cola. A responsabilidade de marcar Osvaldo e Pabon ficou para os laterais Moacir e Carlinhos, respectivamente. Assim, a alternativa voltava a ser à distância ou pelo alto.

Aos 21 minutos, em escanteio cobrado pela direita por Pabon, Souza conseguiu um leve desvio de cabeça, e Pato se antecipou à marcação, tocando de primeira, de perna esquerda, para vazar o goleiro Vanderlei. Foi o primeiro gol do atacante com a camisa tricolor no Pacaembu, estádio em que atuou muitas vezes pelo rival Corinthians, antes de ser emprestado em troca envolvendo o meia Jadson. Por ter subido no alambrado durante a comemoração, porém, ele recebeu cartão amarelo.

Estando o Coritiba em desvantagem, a tendência é que o time visitante se abrisse mais em busca do empate, mas não foi exatamente o que aconteceu. Pelo menos não por muito tempo. Oito minutos depois de aberto o placar, o lateral direito são-paulino Luis Ricardo bobeou e perdeu bola no campo de defesa. Gil avançou à linha de fundo e atrasou para o meio da área. Zé Love furou o chute, mas Robinho, logo atrás, bateu de perna direita para fazer 1 a 1.

Depois do empate, a torcida tricolor, que compareceu em ótimo número ao Pacaembu e havia gritado "o campeão voltou" tão logo aberto o placar, começou a se impacientar não apenas com a tática adversária mas a cada erro de seu próprio time. Time que poderia ter marcado o segundo gol não fosse Gil salvar em cima da linha e Vanderlei espalmar para escanteio um forte arremate de Pabon. Mas que também poderia ter sofrido a virada, no último minuto, e foi salvo por Souza, depois de chute de Zé Love à queima-roupa.

No retorno do intervalo, sem alterações de nenhum dos lados, foi o São Paulo quem primeiramente levou perigo. Logo aos quatro minutos, Alexandre Pato arrancou em direção à área e teve o chute travado por Luccas Claro. Pabon pegou a sobra com o gol aberto, porém demorou demais, tempo suficiente para a defesa se atirar e impedir que ele colocasse seu time novamente em vantagem no marcador. Seria a única chance criada, no entanto, até a torcida pedir pela entrada de Ganso.

Aos 12 minutos, Muricy atendeu ao anseio das arquibancas e sacou Osvaldo para colocar o meia em campo. Mal deu tempo para Ganso criar algo, e o Coritiba alcançou a virada. Três minutos após a primeira substituição são-paulina, Carlinhos cobrou falta pelo lado direito, e Chico desviou de cabeça para colocar a equipe paranaense em vantagem pela primeira vez no marcador. Em lance semelhante, aos 18, mas a favor do São Paulo e que não terminou em gol, o árbitro assinalou impedimento.

A virada forçou Muricy a mexer novamente na equipe. Aos 25 minutos, Pabon saiu muito vaiado de campo e deu lugar a Ademilson. O jovem atacante precisou de apenas um minuto para empatar. Após levantamento de Ganso, ele esticou a perna para tentar o domínio, mas a bola subiu demais e encobriu Vanderlei. Um gol praticamente sem querer, dois jogos depois de ele ter feito um golaço de bicicleta, na Copa do Brasil. Mas foi só, apesar do desespero do público de mais de 31 mil pagantes, e também por causa da trave, que evitou gol de Luis Fabiano os 48 minutos do segundo tempo.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade