Futebol/Copa do Brasil - ( - Atualizado )

Mendieta pede desculpa e diz que comemorou cobrando silêncio de poucos

William Correia São Paulo (SP)

Ao abrir o placar da vitória sobre o Sampaio Corrêa, Mendieta evitou protestos já armados no Pacaembu caso o Palmeiras fosse eliminado da Copa do Brasil. Ciente do ambiente que encontraria, o meia comemorou seu gol levando o dedo indicador à boca, exigindo silêncio. Após o jogo, porém, pediu desculpas avisando que seu gesto foi endereçado a poucos torcedores.

“Fiz o gesto para uns três ou quatro torcedores que estavam xingando desde o início. Peço desculpas à torcida do Palmeiras, que é uma torcida única e sempre apoia”, disse o paraguaio, ressaltando o incentivo que sentiu ter recebido da maioria presente no estádio.

“Foi uma comemoração para a torcida que sempre está xingando, que vem só para xingar e não vem para torcer pelo Palmeiras. Essa torcida não é o Palmeiras, está xingando a todo momento. Todos os jogadores estão fazendo um bom trabalho para ganhar todos os jogos e também temos o torcedor que vem para apoiar sempre”, defendeu o jogador, que teve companheiros tentando conter seu gesto de pedir silêncio, mas insistiu na comemoração.

De qualquer forma, ao aproveitar bola que Henrique garantiu em dividida, Mendieta conseguiu dar tranquilidade com o gol não só ao time, mas a si mesmo. Em seu primeiro jogo na sequência que terá para substituir Valdivia, que está com a seleção chilena se preparando para ao Copa do Mundo, o paraguaio teve uma atuação sofrível até o intervao, melhorando só no segundo tempo.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
Antes de agradecer a Deus, Mendieta levou o dedo indicador à boca pedindo para que quem xingava o time se calasse
“O Valdivia, para mim, é o melhor jogador do Brasil, já tem história no Palmeiras, é ídolo da torcida. É difícil fazer o que ele faz, mas tento ajudar o time”, explicou, sem esconder o alívio pelo seu gol.

“É um gol importante. Entrei no lugar do Valdivia e tenho que fazer o meu trabalho, sempre trabalho para fazer as cosias bem. O primeiro tempo foi muito difícil, o Sampaio Corrêa foi bem para trás e ficou difícil fazer gol. Graças a Deus, pude abrir o marcador para a classificação”, disse o jogador, que recebeu confiança desde terça-feira conversando particularmente com o técnico interino Albeto Valentim.

“O Alberto teve mérito, mas, com o Gilson, quando não jogava o Valdivia, eu jogava assim. Falei muito com o Alberto antes do jogo e ele me deu a liberdade para jogar onde me sinto mais cômodo. Agora é manter o nível alto para seguir jogando no Palmeiras”, continuou o camisa 8.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade