Futebol/Campeonato Brasileiro - ( - Atualizado )

Muricy esquece polêmica com Mano e elogia caráter de Kleina

Tossiro Neto São Paulo (SP)

O clássico de domingo colocará frente a frente Muricy Ramalho e Mano Menezes pela primeira vez depois da polêmica em torno da eliminação precoce do Corinthians no Campeonato Paulista, definida com derrota do São Paulo para o Ituano. Na época, o são-paulino não gostou de ouvir o treinador rival insinuar que sua equipe poderia ter facilitado o jogo propositalmente.

Quase dois meses depois daquele 16 de março, no entanto, Muricy garante ter superado o assunto. "Não falei com ele (desde então), porque a gente mora longe um do outro e não frequenta os mesmos lugares. Já ficou para trás", disse o técnico, depois de comandar o penúltimo treinamento antes do jogo, que terá o São Paulo como mandante, mas em Barueri.

Mano espera cumprimento de Muricy: “Iniciativa é do mandante”

Na ocasião, Mano disse que "cada um sabe com que consciência coloca a cabeça no travesseiro" e que os "deuses do futebol" se encarregariam de conduzir o futuro. Romarinho, seu atacante, foi além ao falar que "todo o mundo sabe que foi armado". Muricy rebateu: "Não pode pôr em dúvida as pessoas. E eu durmo bem pra caramba, viu? Nunca estive metido em nada e não aceito esse tipo de insinuação".

Djalma Vassão/Gazeta Press
O técnico Muricy Ramalho preferiu não estender a polêmica com o técnico do Corinthians, Mano Menezes
Os dois trocaram explicações públicas por mais alguns dias até que o assunto esfriasse. À época, no entanto, a impressão foi de que a amizade entre eles, iniciada em 2005 quando Muricy dirigia o Internacional e Mano comandava o Grêmio, havia ficado abalada. Na capital gaúcha, os treinadores moravam no mesmo prédio e costumavam beber vinho juntos enquanto falavam sobre futebol.

O que Muricy não deixa para trás é a convicção de que, no futebol brasileiro, os técnicos são pouco valorizados e reféns de resultados imediatos. Um dia depois da demissão de Gilson Kleina no Palmeiras, o são-paulino saiu em defesa do companheiro de profissão, sobre o qual diz ter boas referências pessoais, apesar de não conhecê-lo a fundo - e, sim, apenas de enfrentá-lo à beira do campo.

"Sempre estoura no técnico. Por isso é que tem que se impor e não se pode ouvir palpite. Para, quando sair, sair com a cabeça consciente de que ele foi ele mesmo. Fico triste, porque percebo que é um técnico do bem. Isso é importante falar. Não adianta só ser um bom técnico. Tem que ter valores, exemplo, bom caráter, ser uma boa pessoa. Não o conheço pessoalmente, mas as informações sobre ele são essas", elogiou.

Enquanto o Palmeiras estuda a contratação de um novo técnico, os "deuses do futebol" colocam Muricy e Mano frente a frente novamente às 16 horas (de Brasília) de domingo, em Barueri. Um duelo válido pela quarta rodada do Campeonato Brasileiro, no qual o vencedor terminará acima do rival na classificação.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade