Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

No Botafogo, oposição pode se juntar para isolar candidato de Maurício

Gazeta Press Rio de Janeiro (RJ)

A crise vivida pelo Botafogo no aspecto financeiro e os constantes erros que a diretoria cometeu de janeiro para cá podem custar o isolamento político do presidente Maurício Assumpção. Isso porque a oposição, que parecia bem dividida, começa a se articular no sentido de lançar uma candidatura única na eleição que será realizada em novembro deste ano.

Até o momento Maurício Assumpção, que não pode tentar um novo mandato, não lançou nenhum nome. Há quem fale em Alberto Macedo, muito mal visto por parte da torcida por ter feito parte da gestão de José Luiz Rolim, que quase rebaixou o Botafogo no Campeonato Brasileiro de 1999.

Naquela ocasião, Macedo foi advogado no vitorioso processo que o clube moveu e que foi decisivo para a sua permanência na elite nacional por conta da escalação irregular do atacante Sandro Hiroshi pelo São Paulo. Outro nome é André Silva, que foi um contestado vice-presidente de futebol, embora tenha maior aceitação por parte da torcida.

Pela oposição o eterno nome de Antonio Carlos Mantuano foi lançado e conta com o apoio de Carlos Alberto Torres, capitão do tri e que pensou em lançar sua candidatura. Mantuano, porém, é considerado de temperamento forte e fez muitas inimizades no clube.

Satiro Sodré/AGIF
Maurício Assumpção não pode tentar um novo mandato, mas não lançou nenhum nome para seu lugar
Atualmente, a oposição, além de Mantuano, teria mais quatro palanques. O primeiro seria de Carlos Eduardo Pereira, que foi vice-geral na gestão de Carlos Augusto Montenegro e é benemérito do clube. Outro nome é o de Marcelo Guimarães, que foi responsável por uma época áurea do Marketing do clube na gestão do próprio Maurício Assumpção. Vinicius Assumpção, deputado estadual, é o candidato do Movimento Carlito Rocha. Já Cláudio Good, escocês que fez parte da gestão de Bebeto de Freitas como gestor financeiro, deverá ter o apoio do empresário Manoel Renha. Ambos ficaram famosos por terem montado o time comandado por Cuca em 2007 e 2008, que encantou o país, mas fracassou em conquistas de títulos.

Desses, Mantuano e Carlos Eduardo Pereira são declaradamente de oposição e estariam articulando uma aliança nos bastidores. Marcelo Guimarães, Vinicius Assumpção e Claudio Good são vistos como candidatos de centro, mas estão sendo tentados pela oposição em uma candidatura única.

Caso aconteça um grande acordo entre os dois candidatos de oposição e os três de centro para o surgimento de um nome de consenso não será nenhuma surpresa se esse nome for o de Carlos Alberto Torres, que já disse aceitar o desafio se contar com o apoio da maioria esmagadora das correntes do clube. Se esse cenário se confirmar o isolamento político de Assumpção será claro.

Os ex-presidentes com maior poder de transferência de votos no clube, Carlos Augusto Montenegro e Bebeto de Freitas, não querem ainda se manifestar sobre preferências eleitorais. O segundo tem deixado claro apenas a oposição a Maurício, enquanto que Montenegro deve optar pela neutralidade ou optar pela candidatura de Good ou apoiar Torres.

Dentro de campo o Botafogo volta a jogar pelo Campeonato Brasileiro no sábado, às 21 horas (de Brasília), quando enfrenta o Criciúma no Maracanã, no Rio de Janeiro, pela quarta rodada da competição. Com apenas um ponto conquistado, sem vencer e figurando na zona de rebaixamento, o Glorioso precisa desesperadamente de um triunfo contra os catarinenses.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade