Futebol/Mercado - ( )

Nobre mira Arce e Gareca, mas Lúcio vê complicações para estrangeiro

William Correia São Paulo (SP)

Entre os diversos nomes que entrevista para encontrar um substituto para Gilson Kleina, a diretoria do Palmeiras tem o ex-lateral direito paraguaio Arce, ídolo do clube, e o argentino Ricardo Gareca como cotados. Mas Lúcio, capitão do time, não consegue apontar vantagens na chegada de um técnico vindo do exterior.

“É complicado um técnico estrangeiro porque é um choque cultural muito grande. Às vezes, não sabe falar perfeitamente o português para passar todas as orientações e o futebol é muito dinâmico, tem momentos que não dá para parar e explicar. Acho difícil”, opinou.

Arce está no Cerro Porteño, do Paraguai, mas jogou no Brasil por oito anos, sendo cinco deles no Palmeiras, e fala português fluentemente. Gareca, por sua vez, nunca trabalhou no País, e está desempregado desde maio, quando se desligou do Vélez Sarsfield, clube onde conquistou torneios nacionais e chegou às fases finais de Libertadores e Copa Sul-americana nos últimos anos.

As credenciais de ambos, contudo, não animam Lúcio. “No Brasil existem muito treinadores que poderiam ocupar o cargo e até mesmo continuar no cargo. Tudo nasce pequeno e vira grande. Esse pode ser o caso do Alberto”, defendeu o zagueiro.

O técnico interino, porém, não sonha com efetivação. “Só penso nos treinamentos e nas partidas. Não penso se fico até depois da Copa ou não. Estou preparado para ajudar o Palmeiras até o momento em que o presidente achar necessário”, disse Alberto Valentim, que conseguiu duas vitórias sem sofrer gols após assumir o time com a saída de Gilson Klein .

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
Capitão do Palmeiras se preocupa com dificuldades de estrangeiro falar português e passar orientações ao time
Os jogadores, entretanto, tentam se manter afastados da decisão de Paulo Nobre, presidente que, como o diretor executivo José Carlos Brunoro e o gerente de futebol Omar Feitosa, não dá entrevistas sobre o caso e acaba fazendo com que seus jogadores e o técnico interino tenham que lidar com o assunto.

“O grupo não está ansioso, estamos focando o trabalho dentro do campo, tentamos não deixar o clima de incerteza imperar no vestiário. A decisão do técnico não é nossa e não queremos que isso influencie. Estamos nos fechando ao máximo para isso não atrapalhar o nosso rendimento. Precisamos correr e nos dedicar”, indicou Lúcio.

Apesar de ter Arce e Gareca entre os cotados, o nome que mais tem agradado a diretoria no momento é o desempregado Dorival Júnior. Vanderlei Luxemburgo, também sem clube, perdeu espaço por não agradar conselheiros influentes do clube e Jorginho, Doriva e Leão correm por fora na disputa pelo cargo.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade