Futebol/Campeonato Brasileiro Série A - ( - Atualizado )

Presidente do Santos revela que Cícero pedia aumento “naturalmente”

Do correspondente Tiago Salazar Santos (SP)

Se manter firme em suas convicções e não atender aos pedidos de aumento de Cícero foram cruciais para o abalo na relação do jogador com o Santos. O clube não cansa de bater na tecla de que não gasta mais do que pode e, nesta quinta-feira, o presidente Odílio Rodrigues revelou ainda que Cícero não fazia cerimônia para pedir valorização salarial.

“Conversei com o Cícero no domingo, no hotel, e o jogador tem uma tese: quando está bem quer se valorizar e pede mais, fala com uma naturalidade grande. Não tem como a gente querer que o outro entenda da mesma maneira”, disse o presidente, na Vila Belmiro.

Apesar da reunião entre dirigentes, jogador e seu staff, Odílio negou que Cícero tenha se recusado a entrar em campo contra o Flamengo, no último domingo, para não completar seu sétimo jogo pelo Peixe neste Campeonato Brasileiro, fato que impediria uma futura negociação com outro clube.

“Resolvemos fazer uma negociação, que não guarda relação com a multa. O Cícero já havia conversado com o André (Zanotta, superintendente de esportes), Oswaldo, dizendo que tinha vontade de sair. No domingo (contra o Flamengo), claro que ele já tinha certeza de que poderiam lhe pagar o que ele queria. Ele deixou claro. Ele ia para o jogo se a gente determinasse, ele não ia fazer essa inconsequência (de se recusar a jogar), mas entendemos que, baseado em tudo o que se foi falado, não tinha motivação em continuar e era melhor liberar”, explicou.

Além da parte administrativa, Odílio Rodrigues garantiu que Oswaldo de Oliveira participou de tudo e entendeu a posição do clube em liberar o jogador, pois o técnico nunca escondeu sua insatisfação com a iminente perde do “seu principal jogador”. “Oswaldo sempre disse que o Cícero é um bom jogador dentro do plantel, entendíamos a posição dele e, a partir do momento que tomamos a posição, ele ficou do nosso lado, nos apoiou inteiramente na decisão”.

Ricardo Saibun/Santos FC
"Ele tem uma tese: quando está bem quer se valorizar e pede mais", disse o presidente Odílio sobre Cícero

Publicidade

Publicidade


PublicidadePublicidade


Publicidade


Publicidade