Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Sanchez diz que Lula teve participação menor que Kassab em estádio

Luiz Ricardo Fini São Paulo (SP)

Menos de um mês antes do início da Copa do Mundo na Arena Corinthians, Andrés Sanchez negou nesta sexta-feira que o ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, tenha sido o político mais importante na viabilização do estádio. O responsável corintiano pelas obras citou a relevância do ex-prefeito paulistano Gilberto Kassab e do ex-governador paulista Alberto Goldman.

“O Goldman e o Kassab me chamaram e falaram que São Paulo não poderia ficar fora da Copa e que a única opção seria o estádio do Corinthians”, afirmou Sanchez, que citou ainda os sucessores de ambos. “Palavra de honra que a parte burocrática quem resolveu foram Kassab e Goldman, e depois Alckmin e Haddad. Juro”.

O corintiano admite que conversou com Lula sobre o estádio quando ainda era apenas um projeto, mas alega que a única interferência do ex-presidente foi em relação ao local da construção, no bairro de Itaquera.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Andrés Sanchez diz que Lula interferiu apenas dando opinião no local da construção do estádio
“O Lula realmente teve uma participação muito forte no estádio do Corinthians. Ele me chamou e disse que tinha de fazer na zona leste, porque desenvolveria a região. Eu falei que também preferia. Ficaram com esse papo de que o Lula deu o estádio de graça ao Corinthians, mas estou esperando até hoje...”, comentou.

A informação oficial do Corinthians é de que o estádio custará R$ 985 milhões, sem contar juros bancários e instalações temporárias para a Copa do Mundo. Sanchez, então, explicou que o clube terá de pagar R$ 630 milhões em 12 anos.

Publicidade

Publicidade


PublicidadePublicidade


Publicidade


Publicidade