Futebol/Campeonato Brasileiro - ( - Atualizado )

Santos e Flamengo empatam sem gols em Morumbi chuvoso

São Paulo (SP)

Em partida muito fraca tecnicamente, Santos e Flamengo não saíram do zero e permaneceram em situação complicada no Campeonato Brasileiro, após o duelo válido pela 7ª rodada, no estádio do Morumbi.

O Peixe sentiu a ausência de Cícero, que não deve mais vestir a camisa do time de Vila Belmiro, e se livrou de uma derrota graças a uma chance incrível desperdiçada por Paulinho nos acréscimos do jogo.

Agora, o Peixe já se prepara para fazer as malas novamente para encarar o Bahia, em Feira de Santana, nesta quinta-feira, às 21 horas. Enquanto isso, o Flamengo segue em São Paulo, pois vai mandar seu jogo contra o Figueirense, também na quinta, às 19h30, no mesmo Morumbi, já que o Maracanã está à disposição da Fifa para a Copa do Mundo.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
Empate no Morumbi deve aumentar pressão interna no Santos sobre o técnico Oswaldo de Oliveira
O jogo - Antes da bola rolar no Morumbi, o clima já estava quente do lado santista com a inesperada ausência de Cícero na escalação do time. Titular absoluto da equipe e incansavelmente elogiado pelo técnico Oswaldo de Oliveira, o volante nem foi para o estádio após uma reunião entre membros da diretoria e do staff do jogador, que deve ser negociado com Fluminense ou Grêmio nos próximos dias. Assim, Cícero não poderia completar sua sétima partida pelo Peixe no Campeonato Brasileiro, neste domingo.

“Eu não perdi o Cícero, estão conversando e hoje eu quero falar do jogo. Isso é assunto para amanhã. Minha consciência hoje é aqui para o jogo, Cícero não joga hoje o Lucas vai fazer a função dele, espero que a equipe supra a ausência dele”, disse o técnico alvinegro antes da partida, na tentativa de manter a concentração para o duelo diante do Flamengo.

Sem seu principal jogador, Oswaldo de Oliveira apostou em Vitor Andrade, armou o time com três atacantes, puxando Geuvânio para compor mais o meio de campo ao lado de Lucas Lima.

Mas o time não encaixou e sofreu todo o primeiro tempo. Com menos posse de bola e com uma única finalização a gol, já nos acréscimos, em cobrança de falta de Lucas Lima, o Santos desceu para o vestiário com muita coisa para acertar.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
Lucas Lima é derrubado pelo volante Amaral ao tentar armar jogada de ataque para o Santos
Enquanto isso, o rubro-negro carioca, também longe de desempenhar um futebol vistoso, acabou criando as melhores oportunidades de gol.

Primeiro com Negueba, em chute que Jubal evitou o gol, depois em uma cabeçada de Everton, que raspou a trave de Aranha, e principalmente na finalização de Luiz Antônio, que desviou em David Braz e explodiu no travessão. Na sequência do lance, Aranha dividiu com o atacante flamenguista e Jubal mais uma vez salvou o gol do Flamengo ao se atirar na bola.

A única polêmica da primeira etapa aconteceu aos 30 minutos, quando Léo Moura recebeu cruzamento dentro da área, dominou no peito e caiu pedindo pênalti ao ser tocado por Vitor Andrade. O árbitro apenas mandou seguir.

Os 15 minutos de intervalo valeram a pena para o Santos. A conversa com o técnico Oswaldo de Oliveira fez efeito e o time voltou diferente para a etapa complementar.

Arte GE.Net
Antes dos 10 minutos, o Peixe finalizou com perigo com Geuvânio, Lucas Lima e Renatinho. A torcida cresceu junto com o time, que partiu para cima e sufocava o Flamengo em seu campo de defesa.

Aos 12 minutos, Vitor Andrade foi mais um a arriscar de fora de área e por pouco não abriu o placar. A bola passou rente a trave, rasteira, tirando o “uuuh” dos poucos torcedores que se aventuraram em uma tarde fria e chuvosa no Morumbi.

Ao contrário da primeira etapa, o jogo ficou bom, rápido e com as equipes buscando mais o gol. O Flamengo, apesar de iniciar o segundo tempo um pouco atordoado, passou a apostar nos contra-ataques e, assim, também levava perigo à meta de Aranha.

Após os 20 minutos, o ímpeto de Santos e Flamengo voltou a cair e o jogo, de novo, ficou ruim, com muitos passes errados de ambas as equipes.

Para o time de Vila Belmiro, tudo ficou ainda mais difícil quando Geuvânio deu um carrinho por trás em João Paulo, ainda no meio de campo, e recebeu o cartão vermelho direto, deixando o Santos com um a menos a 15 minutos do fim do jogo.

Dessa forma, o time de Oswaldo de Oliveira praticamente abdicou de atacar e passou a esperar o Flamengo no campo de defesa para não correr riscos. Por outro lado, os cariocas, até tentavam forçar uma situação de domínio, mas o baixo nível técnico dos jogadores e do próprio jogo não permitiram que o placar fosse alterado. Paulinho, chegou a perder uma chance incrível no último minuto do jogo, quando completou cruzamento praticamente dentro da pequena área e acertou o travessão de Aranha.

Publicidade

Publicidade


PublicidadePublicidade


Publicidade


Publicidade