Futebol/Mercado - ( )

Sem ousar no elenco, Nobre cogita de Luxa a Ney para encontrar rumo

William Correia São Paulo (SP)

O torcedor que estiver descontente com o elenco do Palmeiras para o centenário não deve sonhar com mudanças significativas. Ainda fiel aos contratos de produtividade e à contenção de gastos, Paulo Nobre tenta encontrar um técnico que não custe tanto, mas com qualidade para levar o grupo atual a posições mais altas no Brasileiro. As opções para substituir Gilson Kleina são as mais variadas.

O presidente busca um rumo de sucesso em seu último ano neste mandato. Ainda sonhando com reeleição em dezembro e deseja resultados positivos sem comprometer demais as endividadas finanças palmeirenses, o dirigente, acusado de colocar R$ 80 milhões do bolso em empréstimos pessoais repassados ao clube, traça um técnico ideal que não extrapole seu orçamento.

Vanderlei Luxemburgo é o nome mais pedido por conselheiros e conta com o aval não só de Nobre, mas também do diretor executivo José Carlos Brunoro. Os dois, contudo, sabem que a rejeição ao treinador dentro e fora da área social do Palestra Itália ainda é grande. Pesa também a possibilidade de o desempregado, porém renomado treinador, pedir um salário alto demais.

O Verdão terá que pagar até três salários a Kleina como parte do acordo de rescisão enquanto o técnico não encontrar outro clube, em valor que chega próximo dos R$ 900 mil. A ideia é encontrar alguém que receba, no máximo, algo similar ao ex-técnico do time. Neste perfil, Ney Franco, atualmente no Vitória, é visto com bons olhos.

Na lista de opções, ainda aparece Dorival Júnior, que está sem clube e tem como trunfo ter jogado no Palmeiras e, principalmente, ser sobrinho do ex-volante Dudu, um dos principais ídolos da história do clube. Com base na empatia com a camisa alviverde, também são cogitados o ex-lateral direito Arce, hoje à frente do paraguaio Cerro Porteño, e o ex-atacante Evair, que fracassou recentemente no River, do Piauí.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
Presidente ouve diversos nomes na busca por alguém barato que tenha sucesso com o elenco atual no centenário
Independentemente de quem for, o substituto de Kleina precisará de paciência para que deficiências antigas no plantel sejam resolvidas. Nobre busca, principalmente, substitutos para Henrique e Alan Kardec e ainda um lateral direito, mas não abre mão de só trazer quem aceite um salário fixo mais baixo com premiações maiores de acordo com sua frequência em campo.

“Estamos sempre atentos a jogadores do Brasil ou de fora e continuaremos fazendo isso, sem medir esforços para trazer jogadores com a preocupação em fortalecer o elenco. Mas seguindo sempre o respeito com as finanças do clube. O conceito de produtividade é uma realidade no Palmeiras e não é de hoje”, avisou.

O novo treinador será ouvido, mas pode não receber exatamente quem pedir. “Temos consciência de onde o elenco precisa ser reforçado. Quando chegar o novo técnico, vamos ver se enxerga da mesma forma. O que queremos é lhe dar material suficiente para fazer um bom trabalho”, discursou o presidente.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade